Horóscopo do Pai Dudu

horoscopo

A opressão, o preconceito e a intolerância estão enraizados na nossa cultura, de tal forma que os praticamos “estruturalmente”, ou seja, no dia a dia, nas atitudes mais banais, sem nos dar conta.

No horóscopo, por exemplo.

– Qual o seu signo?

– Sou ariana.

Você tem noção de quanto sofrimento essa resposta causa a uma ameríndia, uma asiática, uma árabe, uma afrodescendente?

Signos não têm o direito de ser etnicamente abusivos. Nascidas, nascidos e nascides entre 21 março a 19 abril devem poder expressar livremente sua ancestralidade e responder que são abecazes, aborígenes, apaches, berberes, bororós, bretões.

Arianos são só os arianos – e mesmo assim era melhor que respondessem: “Sou indo-europeu – mas não é culpa minha”.

Eu, por exemplo, sou Touro. Vegetariano e, vejam só, obrigado a compactuar com a exploração animal implícita na atividade pecuária, por uma contingência zodiacal.

Se ao menos as mulheres taurinas tivessem a opção de dizer que são do signo de Vaca, as moças do signo de Novilha e as crianças do signo de Bezerro, mas o signo é especista, misógino e não respeita os direitos da infância e da juventude.

Por que não mudar para Minhoca, que também é de elemento Terra? Aliás, mais elemento Terra que minhoca, impossível. Imaginemos a voz de Zora Yonara, na Super Rádio Tupi, prognosticando:

– Anelídeo, meu filho, o dia de hoje é propício para ficar enfiado em casa, subindo pelas paredes.

Tudo a ver comigo e com este momento da minha vida.

Aí vem Gêmeos. Pense no gatilho que é essa palavra para quem não pode ter filhos. Quem sempre sonhou ter enjoo, inchaço nas pernas, desejo de comer chantili com taioba às três da madrugada, ficar oito horas em trabalho de parto, ter que fazer períneo (e não poder nem tossir por 15 dias), e com o bico do seio rachado na amamentação… e não teve essas alegrias.

Por que não mudar para Pet? Pet é mais inclusivo – vai de buldogue francês a tartaruga, passando por gato, camaleão e calopsita. Só não tem quem não quer – e tem feirinha de adoção em qualquer praça.

Onde a pessoa estava com a cabeça quando achou que Câncer era um bom nome para signo? Imagine o drama do paciente oncológico com remissão nascido entre 22 junho e 22 julho. Até Corona seria melhor. Se tinha que ter patologia no zodíaco, que fosse Caspa. Otite. Pneumoultramicroscopicossilicovulcanoconiose. Proponho que troquemos por Virose, muito mais democrática.

Leão. Com uma fauna nativa riquíssima como a nossa, vem alguém e batiza um signo de Leão, espécie exógena. Por que não Jaguatirica, Tamanduá, Capivara, Cutia?

– Sou Cutia com ascendente em Virose, e você.

– Galinha.

Sim, Galinha. Porque Virgem é machista no último. O hímen não define ninguém. Esse signo só perpetua o falocentrismo do patriarcado. Assumir-se Galinha será libertador.

Aí vem Libra, que só pode ser ironia, já que congrega os seres mais desequilibrados do planeta. Eu trocaria por Índice Bovespa, esse, sim, instável, imprevisível e só deve investir quem gosta de emoções fortes.

Ao contrário de Libra, tem hora que o signo antigo acerta em cheio. Escorpião define os que chegaram ao planeta entre 23 outubro e 21 novembro para atazanar a vida alheia. Se fossem do bem, o signo se chamaria Joaninha, Panda ou Porquinho da Índia. Esse nome eu manteria, como alerta. Ninguém pode dizer que não foi avisado.

Sagitário é representado por um centauro, metade homem, metade cavalo. Como uma das metas do novo horóscopo será o empoderamento e a representatividade, passa a ser Sereia. Mas sem gordofobia: será metade mulher, metade baleia.

Quem já foi traído sabe o quanto dói ouvir e ler qualquer coisa que lembre chifre. E o Capricórnio tem dois. Dos bons. Para redução de danos, troquemos por Unicórnio, e a sofrência cai pela metade.

Aquário é um nome tão cruel e claustrofóbico quanto Jaula ou Gaiola. O que uma cumbuca de vidro onde indefesos seres aquáticos são aprisionados tem a ver com pessoas excêntricas, rebeldes e sem noção? Para manter o conceito, por que não Quitinete?

Finalmente, Peixes. Claro que o encarregado de dar nomes aos signos já estava exausto e deixou por conta do estagiário. Peixes. Nem se deu ao trabalho de dizer de que espécie, como se não houvesse diferença entre bagre e salmão, tubarão e tainha. Se é pra generalizar, que seja logo Eucariontes.

Pronto, agora com o horóscopo devidamente desideologizado e desconstruído, é só relaxar e mentalizar a voz de Zora Yonara dizendo:

“Bom dia pra você, amiga galinácea. A semana lhe reserva uma grata surpresa com um amigo virtual de unicórnio e decepções com Índice Bovespa. Evite contato com Virose e mantenha-se afastada de qualquer Eucarionte. Sua melhor companhia neste momento é Quitinete, mas não descarte ter um Pet por perto. Sua cor é infravermelho, sua pedra é renal e seu número da sorte é pi radiano.”

Alguém pode achar estranho esse horóscopo sem bullying, mas vejam como tudo se encaixa: eu, ex-Touro, agora Minhoca, tenho como uma das minhas combinações elementares… Galinha! Não é perfeito?

Quanto mais complicado melhor

tomara que caia

Tem coisa que eu não entendo.

Futebol americano, por exemplo. Por mais que já tenha assistido, não consigo vislumbrar regra alguma. É uma espécie de vale tudo com uma bola que não é bola (bola naquele formato, pra mim, é um oximoro) e um monte de marmanjos sem amor aos próprios ossos e cartilagens.

Eleição americana é outra coisa ininteligível. No mundo incivilizado, os partidos escolhem seus candidatos, os eleitores votam naquele que, a seu ver, mente com mais naturalidade e quem tiver mais voto está eleito. Já no país mais rico da Via Láctea, os partidos fazem disputas internas em que os postulantes gastam fortunas se estapeando entre si para no final – milhões de dólares mais pobres e todos um pote até aqui de mágoa – esquecerem as barbaridades que disseram uns dos outros e se unir contra o adversário de verdade.

E aí tem eleição? Não. Aí começa um processo hermético, enigmático e kafkiano em que pequenos eleitores elegem grande eleitores que votam num candidato que pode ser eleito mesmo tendo menos votos.

Não entendo a regra do impedimento. Ou até entendo, só não entendo por que ela exista.  E por que envolva tanta subjetividade por parte dos comentaristas esportivos.

Não entendo a regra do hífen. Ou, como na do impedimento, entendo, mas não me conformo. A regra, a bem da verdade, é clara: tem hífen onde a regra diz que tem que ter, mesmo que não precise, e não tem hífen onde a regra diz que não tem, mesmo que ali ele faça falta.

A regra do hífen deve ter sido criada pela mãe de alguém, com base na inquestionável sabedoria do “é porque sim” ou do “o dia em que você inventar sua língua você faz do jeito que quiser; mas enquanto você estiver na minha casa, usando a língua materna, é assim que vai ser”.

Há muito mais coisas que não entendo.

Não entendo por que as assessoras da Damares, da Regina e da Michelle não criaram um grupo no zap na véspera da posse para evitar que elas ficassem parecendo três galinhas d’angola na cerimônia. Ou por que uma alma caridosa não informou ao Jair que não era uma boa ideia (era uma péssima ideia, pra falar a verdade) bancar o ventríloquo com um humorista num encontro com a imprensa. E logo no dia de explicar o pibinho – que era o dobro do pibinho do FHC no primeiro ano do segundo mandato, o mesmo pibinho do Lula no primeiro ano do primeiro mandato, muito maior que o pibinho negativo do Lula no penúltimo ano do segundo mandato e muitíssimo melhor que os pibaços negativos dos dois anos do funesto segundo mandato da Dilma.

Qualquer outro teria aproveitado o momento para dizer que o país foi tão bem, mas tão bem, que nem com o presidente criando crise atrás de crise, treta em cima de treta, espalhando casca de banana para si mesmo o tempo todo (as bananas ele deu à imprensa) o pib conseguiu baixar a níveis dílmicos.

Tem mais coisa que não entendo. Como é que pode o valor de mercado do meu apartamento cair e o IPTU ficar mais caro. Por que o Ronaldinho Gaúcho usaria um passaporte paraguaio – e falso, ainda por cima. Se não saía mais em conta a Hering colocar uma alça reforçada em todos os tomara que caia do planeta em vez de bancar essa campanha milionária para a gente passar a chamar o tomara que caia de blusa sem alça.

Tomara que caia a regra do hífen. Tomara que o presidente caia em si para que o pib pare de cair. Tomara que a Regina não caia de novo nessa conversa de “pode ir sem medo , que ninguém mais vai estar usando bolinha”. Tomara que o Ronaldinho não caia no golpe do “la garantia del passaporte soy yo”. E tomara que o tomara que caia (com ou sem hífen?) sobreviva a essa malice sem alça, que há de querer acabar também com o assédio do pega rapaz, o tabagismo da calça cigarrette, a homofobia da camiseta mamãe sou gay, a pirataria da calça corsário, o falocentrismo da regata machão, a subversão dos valores familiares do maiô engana mamãe, a apologia ao crime do bolso faca e ao especismo da saia rabo de peixe e do macacão.

Porque eu não entendo essa vocação americana para complicar tudo, tanto quanto jamais entenderei essa nossa para a problematização e para a concretude.  O que, no fundo, dá na mesma.

Sem fantasia

Fantasia

Clóvis Bornay e Evandro de Castro Lima não morreram.

Estão vivinhos da silva – um morando no Catete, outro na Glória. Vizinhos de metrô.

Evandro passou há pouco dos 100 anos; Bornay acabou de completar 104 em janeiro.

Ambos, claro, mentem a idade. Até porque aparentam menos. Uns 15 minutos menos.

São grandes amigos. Toda aquela rivalidade era coisa da mídia – ainda que realmente se odiassem.  Mas um ódio construído à base de uma inveja que era 90% admiração. Um “ódio do bem” do bem mesmo, como quem diz “ah, como eu te odeio!” enquanto abraça o outro carinhosamente e lhe ajeita o colarinho.

Todo ano eles combinam de voltar aos concursos de fantasia do Municipal e do Monte Líbano, mas os concursos de fantasia do Monte Líbano e do Municipal não voltam mais.

Ontem se falaram pelo zap.

– Evandro, este ano é o seu centenário. Tem que comemorar. Isso só acontece uma vez na vida!

– Sei não, Clóvis. Ando desanimado. Não tenho mais aquele vigor de 80 anos atrás.

– Larga de ser frouxo, homem! Bota aquela sua fantasia de “Esplendor e Glória do Xá da Pérsia Diante do Czar de Todas as Rússias  Numa Noite de Verão” e vamos pro Sírio e Libanês!

– Eu sou baiano, não posso me fantasiar de xá da Pérsia, porque é uma ofensa aos persas – que nem existem mais – aos aiatolás e, se bobear, a todos os russos. Sem contar que eu moro no Catete, e acho que não tenho lugar de lugar para me fantasiar de alguma coisa com Glória no nome. E vamos combinar que “Esplendor e Catete” não rola, né?

– É. Tá difícil. Eu ia de “Apogeu Sublime de um Faraó Egípcio na Suntuosa Corte da Rainha de Sabá” mas meu privilégio de branco não permite.

– Será que a gente não consegue uma fantasia aceitável? Sei lá, uma sem pena de pavão…

– Porque é apropriação plumária…

– … sem pedraria…

– Porque a mineração é predatória

– … sem paetês e lantejoulas…

– Porque são de plástico não biodegradável, e vão poluir o meio-ambiente por 400 anos.

– … sem miçangas…

– Porque evocam o colonialismo, já que eram usadas nas trocas assimétricas com as populações nativas subjugadas.

– Uma simplesinha, sabe? Tipo “Plenitude e Harmonia de Montezuma…

–  Asteca não pode.

– … na Majestosa Coroação do Marajá de Jaipur”.

– Marajá de Jaipur também não.

– Vem aqui em casa, então. A gente pede uma pizza, abre um espumante, e vê se tem alguma coisa com a Hedy Lamarr ou com o Ramón Novarro na Netflix.

– A gente tem feito isso todo Carnaval nos últimos 35 anos, Evandro. Nem era Netflix; era videolocadora mesmo. E ainda se podia chamar espumante de champanhe.

– Que nome será que tem o biscoito champanhe hoje em dia?

– Sabe que nunca mais vi biscoito champanhe? Vai ver, acabou, como os desfiles de fantasia, como os blocos de sujos, como o senso de ridículo. Como eu e você e a edição especial da Manchete e d’O Cruzeiro.

– Talvez. Mas ano que vem a gente tenta de novo. Até lá, vou ver se consigo pensar em alguma fantasia inofensiva. Que não promova nenhum genocídio, não perpetue nenhuma hostilidade.

– Tomara. Vou chamar a Wilza Carla. Mais alguém?

– Clóvis, e se eu for de “Esplendor Policromático de um Imperador Bizantino Politicamente Correto na Corte Empoderada de Versalhes”, ou de …

– Esquece, Evandro. A gente morreu, e não sabe.

– É, Clóvis. Não tem mais lugar para nós neste mundo.

– A gente sempre foi hors concours, querido.

– Sempre. Quando vier, passa na farmácia e me traz um alcacélcer, que acho que este Carnaval vai me dar azia.

– Vou levar logo três, um para cada. E um saquinho de confete.

– Confete não é apropriação cultural italiana?

– É.

– Então, só os alcacélcers. E traz logo 6 de uma vez.

~

In memoriam:

Clóvis Bornay, 1916 / 2005
Evandro de Castro Lima, 1920 / 1985
Wilza Carla, 1935 / 2011

Criado mudo

pisando em ovos

Um dos problemas do Brasil é a piada pronta.

A gente tenta fazer graça com alguns absurdos, mas aí vem a realidade e pá! mostra que não há ironia, sarcasmo ou deboche que chegue aos seus pés.

Uma empresa vai tirar de linha o ‘criado mudo’, porque a expressão é racista.

Racista?

Os criados são uma raça? Há uma raça de mudos?

Aquele móvel onde você guarda remédios, lenços de papel, bombinha de asma, título de eleitor, cópia da chave do carro, e que serve de apoio para livros e luminária, alguma vez te lembrou um escravo calado, a noite inteira de pé ao lado da cama?

Bora rebatizar os móveis e acessórios opressores e perpetuadores de discriminação!

‘Olho mágico’ tem um quê de alucinógeno, não tem? Será preconceito contra usuários de substâncias ilícitas?

Por que essa falta de mobilidade social que prende a ‘mesinha de centro’ ao centro e a ‘mesinha de canto’ ao canto? Abaixo o comodocentrismo das mesinhas de centro! Liberdade para as mesinhas de canto assumirem o protagonismo!

Diga ‘não’ ao trabalho análogo à escravidão. Se o nome é ‘pano de prato’, ele deve receber hora extra quando for usado para enxugar talheres e panelas – e adicional de insalubridade quando, na falta de luvas, pegar caçarolas quentes no fogão. Que as lojas de artigos de cama e mesa mudem os nomes para ‘pano de garfo’, ‘pano de faca’, ‘pano de frigideira’ etc.

O mesmo vale para quem usa colher de sopa para medir açúcar, colher de chá para colocar pó de café no coador, forma de bolo para fazer pudim, tábua de carne para picar cebola…

Quer coisa mais estadocivilnormativa que ‘cama de solteiro’ e ‘cama de casal’. Não é cama que define o estado civil de ninguém. E como é que ficam os poliafetivos, os menagers, os suínguers, sendo o tempo todo lembrados que aquele móvel foi feito para um casal, não para práticas sexuais alternativas?

Também precisamos repensar o gênero quando se trata de sofá-cama. Porque ‘o’ sofá-cama, não ‘a’ sofá-cama? Sofá-cama é genderfluid – ora sofá, ora cama – portanto, nenhum gênero o/a define.

E a bicama? Por que expor assim a orientação sexual de um móvel? Se ela é bi, isso é questão de foro íntimo.

Desde quando sapato e mala são roupas? E onde é que a gente guarda? Na parte de baixo e lá na prateleira de cima do guarda-roupa. O nome ‘guarda roupa’ é discriminatório e não inclusivo. Doravante, refira-se a ele como ‘guarda lenço bolsa toalha sapato mala cinto e roupa’ (se preferir, use a sigla GLBTSMCR).

Como alguém pode, em sã consciência, almoçar na mesa de jantar?

Lavar pano (de prato, de talher, de panela, de chão) na lava-roupas?

Usar a escrivaninha para desenhar?

Meu ferro elétrico é quase todo de plástico, mas o plástico não tem representatividade – só o ferro. Pode isso?

É justo impedir a luminária de pé de se sentar? Chamar de corredor um lugar por onde a gente normalmente anda em baixa velocidade? Usar o computador para tudo, menos para computar? Apenas relaxar na espreguiçadeira? Fazer o número dois no urinol?

E, já que o criado-mudo é racista, o que dizer do machismo explícito de a cama king size ser maior que a queen?

 

 

 

Faxina linguística

PC

Há movimentos para tirar de circulação termos e expressões ofensivos a minorias.

É uma questão de civilidade.

“Fazer baianada”, “serviço de preto”, “coisa de mulherzinha”, “programa de índio” não vão fazer falta nem deixar saudades.

Por outro lado, há os exageros. Coisa de gente que perdeu a mão (e não vai aí nenhuma hostilidade aos amputados), o foco (não, não vejo com maus olhos os portadores de presbiopia, astigmatismo, catarata), o rumo (longe de mim querer alcançar as vítimas de desorientação amnéstica), o eixo (sem inclinação desfavorável aos que sofrem de labirintite).

“Caixa preta”, “sorriso amarelo” e “entrar no vermelho” não têm conotação racial. Mas, no ritmo em que as coisas vão (e continuam indo!), não será surpresa se a lista de expressões que devemos banir do idioma para torná-lo mais inclusivo incluir:

– Terça-feira gorda
> Ofende os dias da semana não adiposamente privilegiados;

– Apressado come cru.
> Busca ridicularizar os adeptos da dieta crudívora.

– A carne é fraca.
> Busca favorecer, sub-repticiamente, a dieta vegetariana.

– Gordura trans
> Associa os pluçaize e as pessoas cuja identidade de gênero difere daquela designada no nascimento a algo prejudicial à saúde;

– Quem vê cara não vê coração.
> Privilegia os cirurgiões cardiovasculares em detrimento dos cirurgiões plásticos.

– Tempos de vacas magras:
> Ofende as anoréxicas, correlacionando magreza e miséria;

– O trem tá feio:
> Insulta o já combalido sistema de transporte ferroviário e, simultaneamente, os indivíduos (mineiros ou não) em desconformidade com os padrões estéticos da sociedade

– Alto lá!
> Estigmatiza os esbeltamente avantajados;

– O que vem de baixo não me atinge.
> Ultraja os de estatura comprimida;

– Pimenta nos olhos dos outros é refresco
> Perpetua estereótipos contra as pimentas, ignorando o grupo minoritário das pimentas biquinho, que não ardem;

– Deus escreve certo por linhas tortas
> Fomenta a opressão gramatico-teísta em relação às pessoas diferentemente dotadas de destreza manual;

– Um dia é da caça, outro é do caçador
> Ignora a pesca, fonte de subsistência das populações ribeirinhas;

– Uma andorinha só não faz verão
> Discrimina os celibatários (voluntários e involuntários), os nerdes e os sologâmicos;

– Não julgue o livro pela capa
> Institucionaliza o menosprezo aos designers gráficos, cuja profissão sequer é reconhecida;

– É dando que se recebe
> Estimula práticas sexuais não ortodoxas entre parceiros do mesmo sexo, vinculando a entrega física a posterior recompensa;

– Cada cabeça, uma sentença
> Deprecia o STF.

– Roupa suja se lava em casa
> Propaga subliminarmente o boicote ao empreendedorismo na área das lavanderias;

– Quem com ferro fere, com ferro será ferido.
> Nega a teoria de que racismo reverso não seja racismo.

– Quem tem boca vai a Roma
> Faz apologia do tráfico de drogas, insinuando que traficantes sejam bem sucedidos, o que lhes permite viajar ao exterior;

– Preto emagrece.
> Essa não precisa nem comentar, precisa?

Reescrevendo Lobato & cia

 

sitio

Confira a coluna de hoje n’O Globo:

Reescrevendo Lobato & cia


 

Tendo caído em domínio público, o livro “As reinações de Narizinho”, de Monteiro Lobato, será reeditado.

Sem Pedrinho.

O garoto de estilingue no bolso foi limado com o argumento de que seria um peso morto na trama.

O Sítio do Pica-Pau amarelo, que já era um matriarcado, assumiu-se, nesta reedição do primeiro clássico da nossa literatura infantil, como Clube da Luluzinha.

Ali agora reinam Narizinho, Emília, Dona Benta e Tia Nastácia. O resto é figuração.

Haver um menino e uma menina num livro infantil permite um diálogo entre os universos masculino e feminino. Um contraponto, assim como há entre a despachada (e mandona) Emília e o conservador (e obediente) Visconde de Sabugosa.

Monteiro Lobato era um visionário – mas não completamente livre da mentalidade da sua época. O menino brinca de caçar passarinho e tem um boneco de espiga de milho; a menina vive num mundo de fantasia, e brinca com uma boneca de pano.

No Sítio não há lugar para beijo gay (só pós alucinógenos e casamento entre espécies…), mas vozes femininas são privilegiadas: Narizinho é muito mais criativa que Pedrinho; Emília, mais divertida que o Visconde; Tio Barnabé nunca foi páreo para Tia Nastácia; de Dona Benta, então, nem se fala.

Muitos meninos talvez não se interessem por ler o novo “Narizinho”, o que será uma pena.

Mas há outro argumento de peso para editar o texto de Monteiro Lobato: as expressões racistas.

“Beiço” quer dizer apenas “lábio”, mas tem conotação pejorativa. Talvez Emília faça beicinho ao ser contrariada ou D. Benta lamba os beiços após uma comilança, mas só Tia Nastácia, por ser preta, é referida como beiçuda.

Daí “A boa negra deu uma risada gostosa, com a beiçaria inteira” ter sido reescrito como “Tia Nastácia deu uma risada gostosa.”

O beiço não fez falta.
Antes não incomodava.
Hoje incomoda.

Obras literárias (ainda mais as que caem em domínio público) podem ser livremente adaptadas. Roteiristas e diretores fazem isso o tempo todo ao levá-las para o cinema, o teatro, a televisão.

O texto de hoje, n’O Globo, é um pequeno delírio sobre que outras mudanças poderiam ser feitas na obra de Monteiro Lobato – e de outros autores de livros infantis.

Um exercício de futurologia, só isso. Lembrando que o futuro não é lá longe: o momento em que você lê este parágrafo já é o futuro de quanto leu o parágrafo que abre o texto.

“A vida vem em ondas, como o mar,”. A onda agora é esta. Qual será a próxima, neste “indo e vindo infinito”?

Sequestrando a narrativa

sequestro

O governador Marcelo Freixo chegou por volta das 9h à Ponte Rio-Niterói, a bordo de um veleiro movido a energia solar – que demorou mais que o previsto porque o dia estava nublado e sem vento. Sua assessoria divulgou que o deslocamento gerou crédito de carbono.

Mais cedo, a Light (agora incorporada à Secretaria de Segurança Pública) havia espalhado postes por toda a Ponte, para evitar novos sequestros.

Agentes se posicionaram em pontos estratégicos com livros de filosofia e história. Como os atiradores de elite foram dispensados no início do governo, seus substitutos, os atiradores das classes marginalizadas, acabaram acionados para a eventualidade de uma ação mais delicada, sendo municiados com teses da UFF sobre ideologia de gênero e surubas em banheiros públicos de supermercados.

Uma ciranda foi organizada em torno do ônibus, com todas, todos e todes de mãos dadas e pés descalços, cantando “Imagine”, abraçando o coletivo e pedindo Lula Livre e soltando pombas brancas.

Uma deputada do PSOL sugeriu que o sequestrador não usasse gasolina, mas etanol, que é mais sustentável, e que os reféns não tivessem as mãos atadas com lacres sintéticos, levam séculos para se degradar e podem poluir os oceanos com microplásticos. Em troca, ofereceu cordas de fibra de cânhamo produzidas artesanalmente numa comunidade da Praça São Salvador.

Numa plenária, realizada na praça do pedágio, os comitês de Cidadania, Historicidade, Horizontalidade de Gestão, Inclusão Trans e Anticanabisfobia deliberou que as ações de resgate, se necessárias, deveriam ser pautadas pelas diretrizes de gênero, etnicidade, empoderamento lésbico (com ênfase na não performação da feminilidade) e participação em ovulários de sororidade e encontros de detox da masculinidade.

Um comitê elaborou uma pesquisa (patrocinada pela Capes) para definição da escala pantone dos cidadãos em situação de ônibus e do marginalizado em situação de máscara e garrafas pet supostamente inflamáveis. Esse estudo permitiria fornecer subsídios à equipe de negociadores para determinação da prioridade daquilo que a extrema imprensa burguesa insistia em chamar de “libertação de reféns”.

Foram feitas propostas de que os veganos deveriam deixar a condição de ônbus para a condição de ponte antes dos demais, gerando intenso debate com os que lembravam que o pagamento da dívida histórica com os afrodescendentes deveria ter precedência. Trabalhadores em situação de informalidade, mulheres oprimidas pelos padrões estéticos da sociedade e pela balança, e minorias sexuais também foram pontuadas, até que o próprio governador lembrou que a verdadeira vítima era o afrodescendente portador de máscara, que se levantara às 5 da manhã, possivelmente sem um desjejum como aquele do Copacabana Palace que ele mesmo havia acabado de tomar.

Foi organizado no vão central um show de solidariedade à vítima da sociedade branca opressora que mantinha o controle do ônibus, com participação de Zélia Duncan, Maria Gadú, Anavitória, Tico Santa Cruz, apresentação de Tatá Werneck e Bruno Gagliasso, e performances das axilas de Bruna Linzmayer, com fundos revertidos para a ONG SVS (Sequestradores Vítimas da Sociedade) e transmissão ao vivo pela GloboNews.

Após 14 horas de negociação, com fornecimento de quentinhas veganas ao sequestrador, entrevistas exclusivas à Mônica Bérgamo e à Carta Capital, os cidadãos reclusos no coletivo se amotinaram, tomaram a chave, deram um cavalo de pau e retornaram a São Gonçalo, sob saraivadas de livros da Márcia Tiburi, Foucault, Boff, Gramsci, Nina Lemos, Althusser, Judith Butler, Bagno, Habermas, Chauí, Sartre e Kéfera.

Um dos líderes do motim a bordo declarou pelo zap que ninguém aguentava mais ouvir o Programa da Fátima Bernardes (no ar das 7 da manhã às 7 da noite na tevê de bordo) e que, por unanimidade, preferiam se jogar no mar. Antes de despencar pela mureta, libertaram o sequestrador – que foi recebido com soquinhos no ar pelo Governador Freixo e convidado a jantar no Fasano.

A direita problematizou a comemoração do governador e achou falta de decoro os soquinhos no ar. Em Nota Oficial, o Palácio Guanabara declarou que a missão foi um sucesso, com o salvamento do sequestrador e que manda condolências à empresa que perdeu um ônibus.