Incidente diplomático

Chapa

– Sr. Modesto Araújo, quero te apresentar aqui o novo chapeiro.

– Mas, seu Jaílson, esse não é o…

– Ele mesmo, o Ednardo. Meu filho.

– Ele tem experiência com chapa, fritura, essas coisas?

– Ele é diplomata. Fez Instituto Rio Branco. Foi embaixador na China. E já comeu pastel frito, não comeu, Ednardo?

(Ednardo concorda com a cabeça)

– Pois é, já comeu. E comeu na China, onde fritam muito pastel. É o chapeiro ideal para a JB Lanches.

– É que pastel não é feito na chapa…

– Modesto Araújo, você não está entendendo. Ele é meu filho. Portanto, está mais que qualificado para o posto de chapeiro.

– É que o fato de ele ser um diplomata, será que não vai atrasar um pouco o serviço? Ele pode querer negociar o hambúrguer bem passado por um ao ponto, não chegar nunca a um acordo com o cliente se o ketchup tem precedência sobre o alface, e aí a fila não anda…

– Com meu filho de chapeiro aqui, quando o presidente da França vier comer uma esfirra, vai falar direto com ele, sem nem fazer o pedido no caixa. Se for um sheik saudita, ele frita a coxinha de acordo com os preceitos do Alcorão. De protocolo ele entende. E de cerimonial. Ele sabe que o canudo fica à direita do copo de refrigerante e os sachês de mostarda vêm hierarquicamente embaixo dos de maionese.

– O senhor é que manda, seu Jaílson. Eu sou só o gerente desta franquia da JB Lanches. Se o senhor diz que o seu filho embaixador vai ser um bom chapeiro…

– Ele fala “quibe” e “esfirra” em vários idiomas Sr. Modesto Araújo. Fala aí “quibe” e “esfirra” em árabe, Ednardo, pro Modesto ver que você é a pessoa mais capacitada para o cargo.

(Ednardo tosse, coça a cabeça e começa a balbuciar alguma coisa.)

– Viu como ele fala? Vai lá, meu filho, que a chapa é tua. E se o pessoal do RH criar algum problema, é você quem vai pra chapa, Modesto, e ele fica de gerente.

(Modesto Araújo abaixa a cabeça, resignado. Gritos atrás do balcão. Era o pessoal do RH com o Bepantol na mão tentando – tarde demais – explicar pro embaixador Ednardo que a chapa é quente).

Anúncios

Loop

loop

Eles venceram.

Moro extrapolou, as conversas eram mais impróprias que os filmes do Alexandre Frota e a Lava-Jato deve ser anulada. De ponta a ponta.

Agora o desafio é arcar com as consequências dessa irresponsabilidade que foi tentar investigar e punir a corrupção no Brasil.

Logo após a soltura de Lula, o prédio da Polícia Federal em Curitiba deverá ser implodido para que se erga no lugar um Memorial à Maracutaia. A contratação da obra será feita mediante licitação fraudulenta da qual participarão apenas empresas que já tenham combinado seus preços e garantido 10% para o caixa 2 das próximas eleições.

Lula terá que ser indenizado. Não pelo tempo que passou preso, mas pelos livros que foi obrigado a ler para obter redução da pena, e pela abstinência etílica forçada. Os artistas que foram em romaria reverenciá-lo e os jornalistas que se viram obrigados a se deslocar até Curitiba para as entrevistas terão suas despesas ressarcidas pelo erário. Mais os danos morais.

Todo o dinheiro devolvido à Petrobras e aos cofres públicos terá que ser reembolsado aos que o desviaram. Com juros e correção – e sem descontar a tarifa do TED.

As eleições de 2018 serão anuladas. Lula assumirá automaticamente, já que a Lava-Jato (como se comprovou com as gravações interceptadas) só foi criada para impedir sua vitória estrondosa nas urnas.

O Brasil repatriará todos os imigrantes venezuelanos que vieram para Roraima atraídos pela ditadura do Bolsonaro, e fornecerá tanques para ajudar a combater a miséria que o bloqueio estadunidense causou ao país vizinho. Poderá criar também uma moeda única com a Venezuela, o Bolívar Realmente Soberano, trazendo Maduro de volta ao Mercosul, e firmando um acordo de livre comércio com a Rússia.

As armas não serão liberadas, e o país voltará a ter índice de criminalidade zero, como era nos governos do PT.

Será providenciada a importação de milhares de desneuralizadores, aquelas máquinas acionadas pelos Homens de Preto para apagar a memória. Assim, será possível voltar a viver como em 2018, sem ter a menor ideia de quem venham a ser Damares, Vélez, Weintraub, Ernesto Araújo, 01, 02 e 03. E que seja possível comer pão com leite moça.

Jorrará petróleo do pré-sal em volume suficiente para encher os canais da transposição do São Francisco (era para isso que estavam sendo construídos, por isso a água não foi desviada para lá). Tudo será refinado em Pasadena, produzindo gasolina aditivada com ferrugem, a ser exportada para o Irã através do porto de Mariel, em Cuba, gerando divisas suficientes para pagar os adevogados e bancar os militantes virtuais.

Jean Wyllys retornará do exílio (afinal, o Brasil deixará de ser uma ditadura fascista), se tornará líder do governo na Câmara. Consequentemente, o marido do Greenwald perderá o mandato. Greenwald ficará muito puto com isso e admitirá que foi tudo uma armação (em desabafo no zap, raqueado pelo Antagonista).

Com o escândalo do Vaza-Glenn, a Lava-Jato ressuscita, implodem o Memorial da Maracutaia, reconstroem a Polícia Federal de Curitiba, Lula volta pra cadeia e o Brasil retorna à programação normal, exatamente do ponto onde parou.

A não ser que o Greenwald resolva processar o Antagonista por ter violado seu sigilo telefônico, e aí a gente implode de novo a PF, reergue o Memorial da Maracutaia (com superfaturamento) e continua andando em círculos, em moto perpétuo.

Quando acabar a paciência – ou o PIB, o que vier primeiro – a gente decide nos pênaltis.

Figuras mitológicas e onde bebem

bromance

São Paulo tem um bar g0y.
Não sei como se pronuncia esse zero aí entre o G e o Y
Leio como se fosse gói, que é modo de os judeus se referirem aos não-judeus (ou gentios, que é o mais gentil dos pejorativos).

G0y é o sujeito que gosta de homem mas não é gay.
G0ys gostam de se pegar, mas na base da broderagem.

Rola muito em academia: o cara não aperta a mão do outro: vai logo no peitoral. E pega como se estivesse sovando pão, sabe como? Pega com pegada. Mas sem desejo.
Não é por se aproximar do Nirvana quando o suor da testa de um pinga na nuca do outro que vão trocar postagens fofas no dia 12 de junho. Não vão dormir de conchinha, ajustar reciprocamente os nós das respectivas gravatas, pedir para esfregar as costas na hora do banho, roçar joelhos no cinema.
Eca.

O g0y gosta de cachorro quente, mas sem a salsicha, se é que vocês entendem a sutileza da metáfora. É só pão e ketchup. A batata palha é opcional.

Existe também o h0mem (como nos captchas e nas malditas placas padrão Mercosul, isso aí é um zero perdido no meio das letras).

O h0mem, descobri esta semana, não pega na cintura da mulher ao lado na hora da foto. Pega no ombro. Porque abraçar pela cintura é uma espécie de abuso, quase estupro.

Isso não fui eu que inventei: está num blogue de uma feminista, cujo nome não vem ao caso porque não endossar tudo que uma feminista diga é coisa de macho nojento (o antípoda do h0mem).

O h0mem é a versão 2.0, revista e melhorada, do antigo macho opressor, só que agora sem macheza ou opressão.
É o macho escroto desconstruído, repaginado, desossado, descarnado, pasteurizado, lavado a seco e enxaguado com Comfort.

Ele ama as mulheres da mesma forma que um g0y ama outro: de igual pra igual e, se possível, sem sexo tal como o conhecemos.
Não me pergunte como é esse tal sexo sem papéis sexuais, porque eu sou modelo 1959 e não vim com esses opcionais de fábrica.

Esse novo h0mem também é chamado de homão da porra.
Ele lava, passa, cozinha, caseia, chuleia e prega botão.
Carrega o bebê amarrado ao corpo naquela tipoia (o nome técnico é sling) e usa vocabulárie neutre para combater e machisme estrutural de idiome.

Ele não precisa ser aquele macho estereotipado que conhecemos em casa, no trabalho. Nada a ver com seu pai, seu marido, seu irmão, você.
Ele pode passar hidratante no cotovelo, usar máscara facial de camomila, chorar em filme com a Jennifer Aniston e tomar sol de bruços sem que isso abale sua masculinidade.

Ele não acha mulher feia, porque é machismo, nem bonita, porque é objetificação.
Nem gorda, porque é gordofobia, nem magra, porque é submissão à ditadura da beleza.
Ele simplesmente não acha mulher, eu acho.

Breve abrirá (certamente em São Paulo) um bar para esse tipo de h0mem tomar cerveja sem álcool ou uísque artesanal (tem de maracujá com hortelã, de groselha e de gengibre) com os amigos depois do expediente – todos com os respectivos bebês envelopados junto ao corpo com o sling de fibras naturais sem tingimento e produzido sem exploração animal.

Tem também o esquerdist@, que acredita que o futuro da humanidade dependa da solidariedade entre os povos e do fim do capitalismo, mas não aceita ser confundido com petista, bolchevique, bolivariano e algum genocida do bem. Ele não tem preconceito de sexo (até porque sexo não existe, é gênero que chama), de raça (somos todos iguais, respeitada a escala Pantone na escalação de elenco para interpretar personagens da vida real) ou de origem social (trata a empregada como se fosse da família e cumprimenta o porteiro – o… o… como é mesmo o nome dele?).

Ao contrário do esquerdista, que apoia Lula cegamente, o esquerdist@ faz ressalvas ao PT, por ter andado naquelas más companhias. Não fosse isso, não teria havido mensalão, petrolão, lavajato, serjomoro, nenhum desses infortúnios. O esquerdist@ não entra no mérito se Lula é inocente ou culpado (o problema foram as más companhias, lembra?), mas enfatiza que não houve um julgamento justo e imparcial (tipo assim, feito pelo Gilmar, o Toffoli e o Lewandowski).

O esquerdist@ é crítico em relação à situação da Venezuela (nada disso estaria acontecendo se não fosse o bloqueio estadunidense, e tem gente que se joga na frente dos tanques só para depois postar no insta). Acha que o golpe de 2016 poderia ter sido evitado (o machismo estrutural é que não foi devidamente problematizado na época) e que é claro que não dá para comparar Bolsonaro a Hitler e Mussolini, porque não tinha whatsapp naquela época, e o whatsapp tornou o fascismo alemão e o nazismo italiano um rascunho desta arte final que estamos vivendo agora.

Nem todo esquerdist@ não performador da heteronormatividade é g0y (ele, inclusive, acha que o g0y é o isentão, o inocente inútil do movimento LGBTQ+). Mas certamente é h0mem, se for do gênero anteriormente conhecido como masculino.

O esquerdist@ acha justo linchar quem discorde dele, porque o ódio do bem é um conceito que suas vítimas não têm lugar de fala para contestar. Ele não em problemas com ironia – apenas acha que trata-se de uma espécie de argumento de autoridade disfarçado, e se recusa a compactuar com o senso de humor, que é o último refúgio da elite.

Qualquer hora dessas, o UOL vai informar que foi aberto (adivinha onde?) um bar em que h0mens g0ys esquerdist@s possam se encontrar, se saudar com socos no peitoral (tomando cuidado para não acertar a pequena Maria Frida, encapsulada em seu sling de fibra de cânhamo), tomar café descafeinado e discutir o socialismo democrático e novas estratégias para tirar Lula da cadeia, depois que nem ONU nem o papa nem o ráquer russo deram jeito.

Haverá na parede ao fundo, entre a foto da girafa sem pescoço e do unicórnio sem chifre, um alvo com a cara do Celso de Mello, para o jogo de dardos.