New kid on the bloque

Quando adquiri o FB, veio junto uma caixa de ferramentas.

Gostei de algumas logo de cara – o “Compartilhar”, por exemplo. Talvez por ser fácil de usar e não requerer prática nem tampouco habilidade.  E ainda permitir que eu dissesse um monte de coisas sem ter que escrever nada – ou que “gerar conteúdo”, como se diz nesse meio.

Gostei do “laique”. Que não é bem um “laique”, mas um polegarzinho para cima, que não quer dizer que gostei, mas que tá ok. É mais um “tudo bem”, “de boa”. Fosse um aplicativo burocrata, seria uma espécie de “Nada a opor”.

Com mais parcimônia usei o coraçãozinho. “Amei”? Não, não é muito a minha praia. Não que eu não ame, mas não amo assim, tão à primeira vista. Amo homeopaticamente, porque amor não dá em penca, não é vendido à dúzia. Amei na vida menos do que devia, e não seria num aplicativo de rede social que iria tirar o atraso.

Rio de vez em quando. Muito de vez em quando. Mas quando rio é porque gargalhei mesmo.

Os botões de surpresa e de mandar força ainda devem estar na embalagem, assim como o Grr. O da furtiva lágrima, sim, usei – duas ou três vezes, porque acho triste me valer de lágrima alheia para chorar por mim. O bonequinho carpideiro está na categoria do vestido de noiva – usado uma vez só, e olhe lá.

A ferramenta mais difícil foi a do bloque. Essa exigia a leitura do manual de instruções, o que não é do meu feitio. Sou do tipo que aperta todos os botões da cafeteira até que um a faça dar à luz um café ou, por engano, um cappuccino. Aperto um a um os botões do controle remoto, do monitor, da impressora. Uma hora rola a cópia, melhora o brilho, aparece a legenda.  Prezo esse meu jeito intuitivo e antitecnológico de ser. 

(Não sei se já contei aqui que mantive um vídeo cassete – um de 4 cabeças! – encaixotado por seis meses, por bloqueio instalativo. Que tomei banho frio – em Curitiba! – por não me animar a instalar o novo chuveiro elétrico.  Dizem que isso é coisa de taurino. Confirmo a hipótese se um dia passar a acreditar em horóscopo.)

Aprendi, na marra, o uso do bloque.

O bloque é o “Não é não” do FB. É a placa de “O ambiente exige respeito” desta gafieira virtual. É a linha do impedimento. É o “Meu corpo, minhas regras”, o “A página de um homem é seu castelo”, o “Respeita Januário” do forró do padim Zucka. É o “Este saloon é pequeno demais para nós dois, forasteiro” do faroeste em que se transformaram as redes sociais.

Meus primeiros bloques foram do tipo “Você passou dos limites, colega”. Algo como “uma pisada na bola eu entendo, duas canelas quebradas eu relevo, três meses na UTI é demais”.  Eu deixava acontecer para não me sentir culpado de cometer alguma injustiça – e depois ia atrás do plano de saúde para cobrir os danos. E, ainda assim, acabava como o vilão da história.

Num segundo momento, os bloques passaram a ser “Você está brincando com fogo, camarada”. Mas eu já estava chamuscado. Apagava o incêndio, e ficava como vilão da história do mesmo jeito.

A fase 3 – na qual me encontro agora – é a da proatividade. Do jogador de xadrez que antecipa os lances. A fase do “Isso não tem como acabar bem, e é melhor extirpar antes que vire metástase”. É o bloque profilático. O cordão sanitário.

Até pela crescente dificuldade de regeneração óssea, não posso mais me dar ao desfrute de ter os ossos esmigalhados por quem ignora a bola e entra com as traves da chuteira na minha canela. Até porque dói pra caramba. Até porque fica uma cicatriz. E, principalmente, porque não é pra isso que entrei em campo.

O ar aqui ficou mais respirável depois que comecei a bloquear quem agride, quem ofende, quem não vem pra conversar, mas para criar caso. Depois que incluí no pacote quem dá suporte a essas atitudes. Quem tem esse comportamento com as pessoas de quem gosto. Porque não me iludo com a crença de que quem é calhorda com um amigo meu há de ser leal comigo.

Minha página (de textos sobre língua portuguesa), meu instagram e meu uotiçape estão cheios de mensagens desaforadas de gente que se sentia no direito de exercitar sua incivilidade aqui no meu quintal. Impedida, agora xinga do outro lado do muro.

Rêiters will be rêiters. Ou, em bom português, não peça a um pé de jaca que dê manga.

Ainda vou ler o Manual de Instruções do FB e procurar no fundo da caixa para ver se há outras ferramentas que, por preguiça, não utilizei. Tipo um filtro de gente autoritária, um sensor de quem é movido a inveja e amargura, uma arapuca para pegar boçal, um mata-burro que mantenha as récuas (sempre quis usar essa palavra!) longe das pastagens que cultivo aqui (para deleite visual, não para alimentação).  Um repelente de não devotos de Nossa Senhora da Interpretação de Texto.

Bloque não é vida, mas uma forma de se ter uma vida virtual mais saudável. De não permitir, na minha sala, gente com o pé em cima da mesinha de fórmica, jogando bituca no vaso de avencas, derramando Dolly Citrus no tapete, assoando o nariz na cortina ou puxando o rabo dos meus cachorros.

Não faço isso na casa de ninguém. A Gerência agradece se não vierem fazer na minha.

Caro Zucka,

Caro Zucka,

É com emoção que pego do teclado para traçar essas mal digitadas linhas, esperando que esta postagem o encontre gozando de boa saúde junto aos seus.

O motivo desta missiva é que, pela segunda vez, o senhor me obriga a mudar para o novo feicebuque, exatamente como fazia minha mãe, que me enfiava goela abaixo duas colheradas de Emulsão de Scott ou Óleo de Fígado de Bacalhau com o argumento de que aquilo era melhor para mim. Não era. E eu tinha que engolir (literalmente) de bico calado, ou o chinelo cantava e o couro comia.

Não vejo vantagem nenhuma no novo feicebuque. Ok, as letras ficaram maiores – mas isso eu podia fazer com o Control +. O álbuns de fotos ficaram mais difíceis de organizar.  É mais provável mencionar um governador do Rio de Janeiro que preste que achar o caminho para agendar postagens.

Mas celavi. O aplicativo é de graça, a gente está aqui porque quer, os desconsolados que se mudem para o Xuleice, o Relôu, o Miuí, o Tiquetoque.

Então, já que vai dar uma trabalheira danada levar para essas outras plataformas todas as postagens, amigos, bloques e laiques, a gente vai ficando. Mas queria sugerir alguns aprimoramentos. Coisa pouca, mas que ajudaria – como um copo de quissuco de framboesa – a engolir o Óleo de Rícino que nos espera a partir deste mês.

  1. LAIQUE QUE NÃO É LAIQUE. Andei desfazendo amizade com gente que deu laique em postagens nas quais eu era chamado de fascista, nazista, comunista, isentão, bobo, feio, pé grande e moralonge. Pois bem. Os ex-amigos – um pote até aqui de mágoa –  vieram se explicar que não é que tenham curtido: só curtiram. Não estavam de acordo. Nem leram. Mas sabe quando você vê uma postagem, não é a favor nem contra, mas tem uma comichão para clicar num botãozinho? “Fulano é um canalha”: laique.  “Quero que Sicrana morra com um furúnculo na virilha e um panarício no sovaco”: laique.  E a pessoa não acha fulano um canalha, não deseja mal à sicrana e nem sabe o que é panarício. Que tal criar um botãozinho de “Oi, sumido! Passei por aqui e resolvei dar um alô. Tutupom?”.  Assim não se compromete, não perde os amigos nem desperdiça a oportunidade de clicar por clicar em algo que nem leu. E não fica dando moral para os rêiters.
    .
  2. “NÃO SEI SE RIO OU SE CHORO”. Se eu ganhasse R$ 1,00 por comentário assim, o Jeff Bezos já era o vice na lista da Forbes. Bora poupar as pessoas e criar um ícone que sintetize esse sentimento tão comum à nossa brava gente que ri quando deve chorar, e não vive, apenas aguenta?
    .
  3. “QUERIA DAR MIL LAIQUES”. Um iconezinho de mil laiques não custa nada, custa? Depois é só colocar esse ícone elevado à segunda potência, terceira potência e a pessoa dará quantos laiques quiser.
    .
  4. PALANQUE. Tem gente que usa a seção de comentários para fazer discurso. Se fizer na própria página, ninguém lê. Então pega um banquinho, um megafone, e vem arengar na postagem da gente. Ali do ladinho de “Curtir”, “Comentar” e “Compartilhar”, podia ter o “Discursar”, onde a pessoa usaria todos os capisloques e exclamações que quisesse, sem prejudicar a sequência de comentários. Quem quisesse ir lá, iria por sua conta e risco.
    .
  5. BLOQUE. Bloque é vida, bloque é saúde, como já pontificou a Cora. Mas tem bug. A gente bloqueia o cristão no nosso perfil, achando que conseguiu um livramento, e lá vem a criatura tomar satisfação com a gente na página. Banir alguém da página é tão simples quanto conseguir que a Leilane Neubarth faça anúncio de ivermectina.  Quando a gente finalmente logra êxito e bane da página, adivinha quem aparece no insta contando desaforo?  Zucka, viabilize um bloque amplo, geral e irrestrito. Tipo medida protetiva, sabe como? Com tornozeleira eletrônica virtual e tudo. Gratidão.

É isso.
Espero ter contribuído para o aprimoramento do seu ganha pão, do qual sou grande entusiasta.

Sendo o que se apresenta para o momento, subscrevemo-nos, reafirmando os nossos protestos de elevada estima e consideração.

E.A.