Alice Gonzaga e o país da memória

Alice

Confira a coluna de hoje n’O Globo:

Alice Gonzaga e o país da memória

 


 

Conheci Alice Gonzaga através da Patricia Queiroz. Já era amigo virtual da sua filha, Maria Alice.

Com a internet, caiu por terra a teoria dos “seis graus de separação”. Conhecer Alice é estar a um passo, no máximo dois, de Tyrone Power, Douglas Fairbanks, Carmen Miranda, Humberto Mauro, Rossana Ghessa, Ana Maria Magalhães, Charles Chaplin, Oliver Hardy & Stan Laurel, Dulcina de Moraes, Mário Peixoto, Oscarito, Grande Otelo, Orson Welles.

O que para nós, cinéfilos, é a história do cinema, para Alice é o cotidiano. Não são nomes: são pessoas com quem conviveu diretamente, ou das quais soube através de seu pai, Adhemar Gonzaga, fundador da Cinédia.

Alice é uma enciclopédia, uma cornucópia. Há um documentário sobre ela (“Desarquivando Alice Gonzaga” (de Betse de Paula). Deveria haver um longa metragem, contando a trajetória da menina que pintava cenários, esteve diante das câmeras, conheceu os bastidores e hoje é guardiã da memória de um tempo em que São Cristóvão foi uma espécie de Hollywood.

O texto de hoje, n’O Globo, é uma homenagem a quem, com zelo e memória prodigiosos, cuida para que parte da nossa cultura não caia (ou queime, ou seja soterrada) no esquecimento.

Anúncios

Todos os tons de verde e amarelo

tons

Confira a coluna de hoje n’O Globo:

Todos os tons de verde e amarelo

 


 

Nem todo mundo que votou no Bolsonaro ou que torce para que seu governo dê certo quer o desmatamento da Amazônia, a submissão feminina, a desigualdade racial, a corrida armamentista da população.

Nem todo mundo que votou contra o Bolsonaro ou que torce para que seu governo dê errado quer a corrupção, o inchaço da máquina estatal, o aparelhamento do Judiciário, as escolas como foco de doutrinação.

O vermelho que tinge as manifestações da esquerda (derrotada nas urnas) não é um vermelho chapado – há nuances de anseios democráticos e totalitários, de idealismo e de ódio,

Com o verde e amarelo que dá às manifestações da direita (vencedora nas urnas) um ar de Copa do Mundo ,é a mesma coisa – há um quê de esperança e de revanche, de racionalidade e de força bruta.

É possível ser “de esquerda” e a favor de princípios éticos e da democracia.

É possível ser “de direita” e pró direitos humanos, inclusão, preservação do meio-ambiente.

Nas manifestações, sejam quais forem as cores das bandeiras, me lembro sempre da canção do Milton Nascimento e do Fernando Brant:

“Aqui vive um povo que é mar e que é rio
E seu destino é um dia se juntar

Aqui vive um povo que cultiva a qualidade:
Ser mais sábio que quem o quer governar.”