Percepções

Flávio acordou e cutucou a mulher.

– Amor, estou sentindo uma coisa esquisita.

– Eu falei que aquela maionese do jantar não estava com uma cara muito boa – murmurou ela, sem tirar a cabeça do travesseiro.

– Não, amor. Estou me sentindo honesto.

A mulher se virou e o encarou, agora apoiada no cotovelo.

– Para com isso, Flávio. Brincadeira tem hora. Que honestidade é essa de que você está falando? Você, honesto?

– A honestidade é uma percepção minha.

Pegou o celular na cabeceira e fez uma ligação, ansioso.

– Luís, me desculpe te acordar a esta hora, mas é que…

– Eu já tava acordado. Tive um pesadelo e não consegui dormir de novo, com uma sensação esquisita.

– De honestidade?

– Não. De inocência. Acordei com percepção de inocência!

– Já falou com o Zanin?

– Na hora! Liguei pra ele e perguntei se não podia usar isso como argumento de defesa. Ele falou que sim, que tava pensando justamente nessa hipótese, porque ele também tinha acordado com uma percepção de eficiência, uma percepção de que ganha todas as causas.

– Será que…

– Não sei. Deixa eu ligar pra cumpanhêra Dilma.

Dilma já estava de pé, de taiê vermelho e tudo, escovando os dentes.

– Companheiro, acordei perplecta. Com uma percepção, no que se refere ao golpe, de que o golpe não colou, e que eu ainda mando nesta joça. Chamei o Bessias, pedi a limusine, mandei prender as emas e estou indo para o Alvorada. Espero que não seja só uma percepção minha, porque não tive nem tempo de chamar o Kamura, passar o taiê e não sei onde guardei a cópia da faixa.

O fenômeno era planetário. Nalgum ponto de Hollywood, Adam Sandler tivera uma percepção de que era engraçado e a família já chamara o médico. Na Suíça, Paulo Coelho era atendido na emergência, onde repetia “Ich bin talentosisch, Ich habe diese Perzeptizionen”.

Embaixo do chuveiro, Alexandre de Moraes, com a percepção de ter cabelos secos e quebradiços, reclamava do xampu da mulher, para cabelos oleosos. Maju se olhou no espelho, horrorizada com a percepção de ter que perder 20kg para caber em qualquer dos 125 tubinhos que tinha no closet.

O caos se instalara.

– Mas, seu guarda, é uma percepção minha de que a velocidade máxima nesta rua é de 180 km/h!

– Amor, me diz que não é só uma percepção minha, e que você teve mesmo orgasmos múltiplos mortais carpados com essa rapidinha de agora de manhã…

– Como assim tá faltando? É uma percepção minha que a pitaia tá a R$ 4,99 o quilo!

A ONU convocou o Conselho de Segurança. Trump tinha acabado de fazer um pronunciamento oficial afirmando que a vitória era uma percepção dele e que não precisavam nem contar os votos. Queiróz teve a percepção de que era um limão.

Conflito de gerações

– Maria Eduarda, eu seu pai precisamos ter uma conversa com você.

– Já sei. Vão começar tudo de novo.

– Não, Maria Eduarda, não vamos começar tudo de novo. Vamos continuar a conversa que vimos tentando ter com você faz tempo, mas você é rebelde, não quer conversar nem ouvir seus pais.

– …

– Quando é que você vai parar com essa teimosia? Até onde vai seguir com essa vontade de ser “diferente”?

 – Mãe, eu sou diferente!

– Não, Maria Eduarda, não é. Você é uma menina de 17 anos, igual a todas as meninas de 17 anos, com os mesmos anseios de toda menina de 17 anos. Não faz sentido você continuar se recusando a fazer uma tatuagem! Todas as suas amigas estão tatuadas da cabeça aos pés, e você aí… com a pele intacta. Até onde você vai querer ir com isso, Maria Eduarda?

– Mãe, eu não gosto. Eu acho feio. Só isso.

– Maria Eduarda, que mal faz uma mandala? Um ying e yang? Uma caveira?

– Mãe…

– Uma borboleta na nuca não mata ninguém, Maria Eduarda! Um dragão, uma fênix, qualquer coisa, mas… acho horrível ver você assim, com a pele toda… toda…

– Mãe, não começa a chorar, por favor!

– Choro, sim, Maria Eduarda. Choro de vergonha. Onde foi que eu errei na sua criação? Todas as filhas de todas as minhas amigas estão completamente rabiscadas e você aí, com a pele… virgem.

– Mas eu não sou mais virgem, tá, mãe?

– Nem sei como alguém conseguiu se interessar por você, com a pele imaculada desse jeito. No mínimo foi um daqueles rapazes esquisitos que querem ser dentistas ou – deusmilivre – engenheiros civis. Desse jeito que você anda, de cabelo castanho, com roupa sem um rasgão ou um pircinzinho que seja, você nunca vai arrumar um grafiteiro, um uebidizáiner, um crosfiteiro. Ou um confeiteiro.

– Mãe, fica tranquila…

– Como eu posso ficar tranquila sabendo que você não vai ao tatuador uma vez por semana, nem que seja para fumar narguilê? Que não tem uma serpente subindo pelo pescoço, uma flor de lótus na virilha, uma frase em latim no omoplata, nada!

– Mãe…

– Faz pelo menos uma tribal no tornozelo, filha!

– Mãe, eu…

– Um infinito no pulso, uma âncora no antebraço, qualquer coisa…

– Mãe, eu acho que…

– Você não sabe a vergonha que eu passo na frente das minhas amigas na yoga. Todas têm filhas tatuadas. A Gislaine tem uma filha que fechou o braço. Fechou o braço, sabe o que é isso? A filha da Marta tatuou toda a fauna do cerrado, em protesto pelos incêndios no Pantanal. Ela não é boa em Geografia, eu sei, mas o tatuador fez uma jaritataca linda no ombro dela, e um teiú que sobe pelas costelas e vai até o seio. Quando ela colocar implante, o teiú vai ficar com uma cara enorme, linda. Você vai colocar implante, não vai?

– Não, mãe, não vou.

– Maria Eduarda! Sem tatuagem aos 17 e sem implante antes dos 20! O que você quer da vida, minha filha? Sabe como as pessoas vão te olhar? Como uma aberração!

– Mãe, eu…

– Tatua nem que seja um “Fellyppe, amor eterno” no cóccix, por favor!

– Eu não conheço nenhum Fellyppe, mãe.

– Não interessa. Tatua só para arrepender e tatuar alguma coisa por cima. Aposto que todas as suas amigas já se arrependeram de uma tatuagem dessas e tatuaram outra maior por cima.

– Sim, todas fizeram isso. Aos prantos.

– Viu? Custa fazer? Escolhe um nome qualquer, porque vai fazer outra por cima mesmo. Bernnardho, Artthur, Karollayne, qualquer coisa. Mas tatua, exibe, chora dizendo que se arrependeu e faz uma de rosas vermelhas, ou de uma onça, em cima. Pronto. É só isso que estou te pedindo. Para eu não ser a mãe da menina esquisita que não tem tatuagem. Faz isso por mim, Maria Eduarda. Pelo seu pai, que vem fazendo uma poupança para essas tatuagens desde que você tinha 15 anos.

– Mãe…

– Um código de barras na coxa, filha… O que é que custa? Um ideograma, uma logomarca, um pacote de miojo, qualquer coisa…  Você quer chegar à velhice como sua avó, sem parecer um muro de periferia? Sem lembrar uma obra do Dali, com relógios derretendo porque o peito caiu?

– Tá, mãe, semana que vem eu faço.

– Promete, Maria Eduarda?

– Vou pigmentar aquela manchinha branca que eu tenho no peito do pé, aí fica da cor da pele.

– Faz uma caranguejeira, filha! Fica lindo uma caranguejeira bem realista subindo pelo peito do pé!

– Não, mãe. No máximo, uma joaninha.

– Bem colorida?

– Ok, mãe, uma joaninha bem colorida. Já posso voltar a estudar?

– Pode. Te amo, Maria Eduarda. Mesmo você sendo estranha desse jeito, mamãe te ama. Mas por que você não aproveita que vai fazer a joaninha e coloca um pírcim no umbigo?

Étimo, que vem do Grego ‘etymon’, “sentido verdadeiro”

Ele desaba para um lado, com o suor escorrendo na testa.
Ela toma fôlego, e murmura, ainda arfante.

– Uau! Você foi formidável…

– Sério? Tão ruim assim?

– Não. Foi formidável. Sensacional.

– Ah, tá. É que “formidável” vem do latim “formidabilis, e significa “o que causa medo, terrível”.

– É? Não sabia. O que eu quis dizer é que você foi bárbaro.

– Desculpe. Não quis ser grosseiro com você.

– Mas não foi!

– Você disse que fui bárbaro. E bárbaro, do grego “barbaros”, quer dizer “estrangeiro, estranho, ignorante”.

– Imagina! Eu te achei ótimo. Um homem com pegada, porém intelectualmente sofisticado…

– Como assim? Eu não sou falso!

– Não falei que você é falso!

– Falou. Disse que sou sofisticado, e “sofisticado” vem de “sophisticare”, que é o mesmo que “alterar, adulterar, modificar com má intenção”, e de onde, inclusive, vem a palavra “sofisma”.

– Não! Eu quis dizer é que você é um homem ao mesmo tempo viril e fino (no bom sentido, claro!), do tipo que a gente não pode deixar escapar.

– Mas eu não estou usando capa.

– Hã?

– “Escapar” vem do latimexcappare”, de “ex” (movimento para fora) + “cappa” (capa) e o sufixo “are” (que indica ser um verbo). Ou seja, escapar é livrar-se da capa. A menos que você se refira à camisinha…

– Não, não. Já estou até arrependida de ter pedido para você pegar essa famigerada dessa camisinha.

– Mas famigerada – que é uma palavra latina, composta de “fama” + “gerere” – quer dizer algo afamado, que goza de boa reputação. E saiba que achei você muito esquisita

– Esquisita? Eu? (Cata as roupas no chão). Tô fora!

~ Espere! “Esquisito” tem origem no latim “exquisitus“, “procurado com atenção”, portanto, “de escolha especial, coisa muito boa” e… (ela bate a porta). Droga, de novo!

~

Moral da história: nunca vá para a cama com um etimologista. Ele sempre dará um jeito de explicar a origem das palavras – e acaba por complicar tudo. Aliás, “complicar” e “explicar” têm a mesma raiz, do latim “plicare” (ato de dobrar um papel), com os prefixos “com” (em companhia de) ou “ex”(para fora de), e é de onde também vieram suplicar, duplicar, explicitar e até de “cúmplice”, no sentido de… ok, deixa pra lá.

Enquanto isso, no cafezinho de uma corte suprema…

– Excelência…

– Bom dia, ilustríssimo.

– Um cafezinho, por favor. Vossa Senhoria soltou hoje o preso que eu mandei prender ontem?

– Sim, Vossa Magnificência, mandei. Dois, por favor.

– Alicerçado em que jurisprudência, Eminência? O meu sem açúcar.

– Adoçante para mim. Eu me basto jurisprudencialmente, Vossa Reverendíssima.

– Vossa Santidade acha mesmo que pode fazer isso? Me vê um biscoitinho desses de nata.

– Posso, e não há nada que Vossa Alteza possa fazer. Um amanteigado pra mim.

– Vossa Majestade Imperial sabe que seu comportamento é teratológico – mais um, por favor – e exordialmente, incabível?

– Uma delícia esse amanteigado! Embrulha um pacotinho para eu levar para minha digníssima consorte. Vossa Mercê está equivocado, 

– Vossa Graça exorbita. Um pacote para mim também, e pode misturar os de nata com uns de chocolate.

– Vossa Alteza Senhoril, summum jus, summa injuria. Ubi non est justitia, ibi non potest esse jus.

– Salus populi suprema lex esto, mas Vossa Onipotência se acha o próprio Onipotente!

– Ora ora, vejam quem fala! O egrégio Meritíssimo que quer para si todos os méritos!

– Passar bem, insigne Sumidade!

– Passar bem, supremo e excelso indígete togado!

(Os dois, em uníssono)

–  Pendura a conta, Onofre!

Sequestro

– Sargento, chegou o pedido de resgate!

– Já não era sem tempo. Quanto a esquerda quer para devolver as pautas sociais sequestradas?

– Um bilhão, em cédulas de R$ 50,00 não sequenciais, carro com vidros escuros para a fuga, fora Bolsonaro, os dois anos que tomaram da Dilma e mais quatro para Lula, renováveis automaticamente. E exige que a Lava Jato fique fora disso.

– Eles não podem manter os direitos humanos em seu poder indefinidamente. Mais cedo ou mais tarde, terão que ceder.

– Precisamos libertar imediatamente essas pautas reféns, sargento. Antes que a síndrome de Estocolmo as ataque…

– Para o feminismo e a luta antirracismo pode ser tarde demais. Viu aquele cartaz “I love cativeiro”?

– Sim, alguns dos reféns aderiram aos sequestradores. Precisamos de reforços, porque os estudantes e os sem teto estão prestes a desistir de estudar e de ter uma casa

– Um negociador liberal poderia tentar uma troca. A direita entrega a economia em ordem, e eles libertam o meio-ambiente e o direito de ouvir Chico Buarque.

– E a descriminalização das drogas e do aborto?

– Estão blefando. Essas pautas não estão em poder deles. Foram abandonadas no caminho, há muito tempo. Nós as encontramos, à míngua – e colocamos num freezer, já que a direita também não quer saber delas.

– Ainda há esperança de resgatar, com vida, a liberdade de expressão?

– Pouca, mas há. O caso mais grave parece ser o da ideologia de gênero.

– Somos liberais, senhor, não sabemos como lidar com ideologia de gênero. Aliás, com ideologia de gênero nenhum…

– Engano seu, pequeno padawan. Nada do que é humano nos é estranho. Exceto, talvez, o cabelo do Guga Chacra e olho de gatinho da Renata Vasconcelos.

– Sargento, acaba de chegar uma mensagem do Quartel General. A direita capturou  a moral e os bons costumes. Mandou dizer que abre mão das reformas econômicas e da redução do tamanho do Estado, que logo serão abandonadas em algum terreno baldio. E, para deixar claras suas intenções, o combate à corrupção já foi libertado. Está bastante debilitado, e apresenta escoriações generalizadas, pois foi jogado do carro em movimento.

– Vai ser difícil negociar com essas duas quadrilhas simultaneamente…

– O pior o senhor não sabe, sargento: ambas as facções declararam guerra para ver quem é que vai se apossar do populismo.

Dialetos

– Amiga, cansei de sororidade.

– Eu também. Desapeguei.

– Ficou tão quarta-feira passada…

– Nem me fale. Quando comecei a usar, ninguém usava. Agora…

– Daqui a pouco está sendo usada até em novela bíblica da Record.

– Junto com empoderamento. Lembra do pré-lançamento?

– Lindo. Só para convidadas. Evento VIP, garçons étnicos, música autossustentável. Depois…

– Depois virou arroz de festa, que nem empatia.

– Comigo foi saberes.

– Você foi no lançamento de saberes?

– Fui, menina! Usei saberes quando só aparecia em tese de Humanas.

– Que luxo! Quando saberes chegou, eu já estava na fase da objetificação e achei que não ia combinar.

Objetificação tem que ter muito critério, ou fica over.

– Acho que cai bem com cultura do estupro e micromachismo, e olhe lá.

– Super cai bem!  E olha que micromachismo não é pra qualquer uma.

– Não mesmo. Tem que saber dosar. Tipo gaslighting.

Gasligting era tudo, né? Uma coisa de louco!

– Mas sabe que eu era mais o combo mansplaining, manspreading e manterrupting? Porque tinha uma leitura, dialogavam.

– Diferente de patriarcado e androcentrismo

– Totalmente. Androcentrismo pede, sei lá, uma atitude com mais conceito.

– Bem na vaibe da misoginia e do feminicídio.

– Isso. Se bem que eu fique mais à vontade na disparidade de gênero, sabe como? Uma coisa light, cool, fim de tarde, apperol.  Nessa linha.

– E qual é a tendência para hoje? Fiquei vendo laive da Katy Perry até de madrugada, acordei tarde e nem tive tempo de me atualizar.

Interseccionalidade.

– Jura? Amei!

– E dá pra usar com tudo.

– Amiga, só vou tirar essa máscara de avocado orgânico e começar a interseccionalizar agora mesmo.

– Mas interseccionaliza logo, porque acabei de ver que já estão usando no UOL. E quando isso acontece, já sabe, né?

– Sim. Daqui a pouco vira gratiluz.

– Vai lá. Beijo no coração, amiga! Gratiluz!

Gratiluz, amada!

Bueiro

– Se já estão todas, todos e todes aí, podemos dar início a esta reunião extraordinária do Patrimônio Histórico e Cultural para decidir sobre os monumentos que merecem permanecer nos espaços públicos, os que vão para a reserva técnica dos museus e os que podem ser fundidos para fabricação de tampa de bueiro.  Deixa eu ver minha lista aqui. Hmmm… estátua equestre de Pedro I, na praça Tiradentes.

– Misógino, macho tóxico e abandonou afetivamente os filhos.

– Bueiro?

– Bueiro. Mas podemos deixar o cavalo.

– Ok, a estátua equestre vira uma estátua equina.  Estátua de Pedro II, na Quinta da Boa Vista.

– Escravocrata, gordofóbico…

– Gordofóbico?

– Já viu fotos da imperatriz, que ele trocou pela esbelta Condessa de Barral? Gordofobia raiz.

– Bueiro?

– Bueiro.

– Já que estamos na família imperial, temos a Princesa Isabel na avenida dela mesma. Essa fica, não é? Afinal, é mulher e…

– Sem chance. Vivia cercada de mucamas e se referia a uma de suas escravas, chamada Marta, como “negrinha de quarto”. Bueiro. E na Abolição, para aprender.

– Ok. Tiradentes, na Primeiro de Março, em frente ao palácio dele mesmo.

– Escravocrata. Perguntem pro Laurentino Gomes. Bueiro.

– Será que não vai escapar nem o Machado de Assis, ali em frente da Academia Brasileira de Letras?

– Nem pensar. Machado nunca assumiu sua negritude. Seus protagonistas são todos brancos. Capitu era quilombola? Brás Cubas era afrodescendente? Ele só tinha olhos para a burguesia da Rua do Ouvidor. Bueiro, e bem longe do Cosme Velho.

– Gente, vai faltar bueiro nesta cidade para tanta tampa! Para poupar tempo, melhor mandar fundir todas as estátuas de personalidades do século 19 para trás, não acham?

– Claro que não. Tem Zumbi dos Palmares, ali na Presidente Vargas. Essa fica.

– Mas Zumbi não tinha escravos? O Leandro Narloch levanta essa questão e….

– Nossa, quase quatro da tarde! Desculpe, mas marquei manicure e com essa demanda represada da pandemia, não posso me atrasar. Semana que vem a gente retoma, tá? E podemos começar pelo Drummond, ali no calçadão de Copacabana.

– Ah, tão bom passar pela orla e encontrá-lo ali, no meio do caminho…

– Esquece. Ele colaborou com o Estado Novo. Fascista.

– Bueiro?

-Bueiro. Fui!

O manifesto dos bichos

A jararaca e o abutre estavam deixando a fazenda em pânico.

A escolha entre morrer de picada ou de bicada não parecia muito animadora para a fauna local.

– Jararaca só pica pra se defender! – proclamavam os jararaquistas.

– Abutre só bica quem já morreu! – protestavam os abutristas.

Mas não faltavam casos de coelhinhos estrebuchando sob efeito de veneno (logo coelhinhos, que não atacam ninguém) e gatinhos ainda miando ao ser devorados (logo eles, que têm sete vidas).

Reuniu-se a bicharada, que deliberou por um manifesto supraespecista  (ou supraespeciário, ou supraespecial – ou seja, acima das diferenças de espécie). Contra o abutre.

– Contra o abutre? Mas e a jararaca?

– Primeiro a gente tira o abutre. Depois a gente se entende com a jararaca.

– Como assim, “a gente se entende com a jararaca”?

– Modo de dizer. Depois a gente dá um jeito na jararaca.

– Não era melhor a gente fazer também um manifesto antijararaca? Com a rexitegue #jararacanão?

– A jararaca está escondida na toca de um amigo. Quem está nos sobrevoando é o abutre.

(Nessa hora o abutre deu um rasante. Ele sempre dava um jeito de confirmar as piores previsões a seu respeito.)

– Viu, não falei? Somos 70% contra o abutre.

– Mas também somos 70% contra a jararaca.

– Que tal um movimento juntando os dois 70%? Seria um “Somos 140% contra o abutre e a jararaca” – exclamou um burro de humanas.

– Isso está matematicamente incorreto – resmungou um bode de exatas.

–  Vamos fazer então um “Juntos somos 100% e basta!”

– Ótimo.

– Perfeito.

– Joia.

– Deixa que eu redijo então: “Au au…”

– Como assim “Au au”?  Tem que começar com “Bééé”.

– Por que “Bééé”?  Escreve aí “Múúúú…”

– Dizem que sapo de fora não chia, mas tem que ser “Coach, coach”.

– Eu não ia dar um pio, mas se não for “Piu piu piu”, eu estou fora.

– Oinc! Oinc!

– Quac quac!

Enquanto isso a jararaca armava o bote e o abutre partia para mais um rasante.

Critérios

Limpando as gavetas (metaforicamente falando, claro: estava fazendo faxina no computador, descartando textos inservíveis), dei de cara com isto, escrito em 31 de janeiro de 2017 e deixado pra lá.

Na ocasião, o então presidente Temer definia os critérios que norteariam a escolha do substituto de Teori Zavascki no STF.

Imaginei a conversa do presidente com um senador hipotético:

– Quero tranquilizá-lo quanto ao novo ministro do Supremo, já que, evidentemente, indicá-lo-ei com base em critérios eminentemente técnicos. Eminentemente técnicos.

– Técnico, mas comprometido com o fim dessa aberração de prisão após condenação em segunda instância, já que nós podemos recorrer indefinidamente, e não é justo ir pra cadeia só porque dois juizecos nos condenaram.

– Evidentemente, senador, evidentemente. Com critérios técnicos e contra a prisão na condenação em segunda instância.

– E contra o aborto, Presidente. Basta termos que conviver com essa ignomínia que é o divórcio.

– Perfeitamente, senador, perfeitamente. Critérios técnicos, contra a prisão em segunda instância e contra, radicalmente contra o aborto.

– E alinhado com a reforma da Previdência…

– Indubitavelmente, indubitavelmente. Técnico, segunda instância, aborto e previdência. Acho que já temos um perfil.

– … e a reforma trabalhista.

– Indiscutivelmente, indiscutivelmente. Esse aspecto, não esquecê-lo-ia jamais. Estava na minha mente, alhures.

– E, já que estamos apenas entre nós, podemos ser claros: deve ser, da boca pra fora, defensor intransigente da Lava-Jato. Mas na prática…

– Na prática, exatamente o oposto. Isso já estava anotado aqui, logo embaixo de “maior de 35 anos” e “notório saber jurídico”.

– E deve respeitar os senadores e não se meter onde não é chamado.

– Perfeitamente, senador, perfeitamente. Deve ser contra a prisão em segunda instância, contra o aborto, a favor das reformas trabalhista e da previdência, defensor da Lava Jato da boca pra fora, detonador da Lava Jato na prática, respeitador dos senadores e… esqueci alguma coisa?

– Eminentemente técnico.

– Sim, claro, como podê-lo-ia ter esquecido? Eminentemente técnico.

~

Pensei em atualizar o texto, diante da perspectiva da indicação de um ministro para a vaga a ser aberta com a aposentadoria do ministro Celso de Mello. Começaria assim.

– Vou enfiar lá a porra de um ministro terrivelmente evangélico.

O resto eu deixo por conta de vocês.

Apertem os cintos

– Torre de controle, aqui é o capitão.

– Torre de controle na escuta, capitão. Prossiga.

– Quero trocar o engenheiro de voo, talquei?

– Durante o voo, capitão?

– Agora mesmo.

– Mas capitão…

– Eu sou o capitão, não sou? Quero colocar no lugar dele, hmmm, deixa eu ver, o comissário Éverton.

– O comissário Éverton tem conhecimentos para ser o engenheiro de voo?

– Ele trabalha no avião, porra. Conhece o avião. Já andou de avião. Quero o comissário Émerson como engenheiro de voo e pronto. O engenheiro antigo está demitido.

– Capitão, o senhor falou comissário Éverton ou comissário Émerson?

– Sei lá, porra. Um comissário aí.

– Está bem, capitão. O senhor está no comando, há de saber o que é melhor para a condução da aeronave até o seu destino.

– Eu andei pensando em mudar também o destino disso daí.

– O senhor quer mudar o plano de voo em pleno voo, capitão?

– Se os passageiros quiserem… E eu sei que os passageiros não estão satisfeitos de ser obrigados a viajar com o cinto afivelado, mesinha travada, não poder fumar… Tem muita gente insatisfeita com isso daí.

– Capitão, esses são procedimentos normais. É para a segurança dos passageiros e da tripulação.

– Falando em tripulação, eu não quero mais aquela aeromoça como chefe de cabine. Minha sobrinha, que está na poltrona 7F, é a nova chefe de cabine.

– Capitão, sua sobrinha trabalha na empresa? Tem os cursos?

– Contrata agora, porra. Contrato temporário. É que eu preciso de alguém de confiança na cabine enquanto eu vou lá fora trocar as turbinas.

– O senhor vai… trocar as turbinas?

– Vou. Elas estão me incomodando ali na asa. Não gosto de turbina zumbindo no meu ouvido.

–  O senhor não prefere pousar primeiro para depois trocar as turbinas?

– Não. E quero as turbinas ali na parte de baixo. Naquele lugar ali, como é que chama? Aquele com pneu. Trem de pouso. Isso, quero as turbinas no lugar do trem de pouso.

– Capitão, vai ser difícil pousar sem os trens de pouso. Troque apenas a aeromoça e…

– Droga, tem uma luzinha vermelha acendendo aqui no painel. Ô da torre, como é que eu apago essa luzinha?