Um conto de fadas moderno em 10 atos

Fada

1.
Drigo é um homão da porra.
Sensível.
Desconstruído.
Gosta de cozinhar.
Relaxa fazendo crochê.
Participou do curso de gestante, fez força no parto junto com a Nanda.
Tirou licença para cuidar dos bebês.
Faz trança, bota laço, ajeita a sapatilha e se emociona na apresentação de balé do Júnior.
Nanda é uma mulher forte.
Decidida.
Empoderada.
Trabalhada na sororidade.
Relaxa fazendo krav maga.
Abriu mão da licença maternidade para se dedicar a um projeto da empresa.
Leva a Manu no muay thai, no jiu jítsu e a fantasia de Frida no carnaval.
2.
Drigo começou depilando as axilas por achar mais higiênico.
Depois depilou o peito porque sentia que aquele tufo saindo pelo colarinho exalava masculinidade tóxica.
A turma com quem malhava glúteos achou estranha a depilação apenas do umbigo pra cima e aí ele tirou o resto.
Gostou do resultado.
Sobrancelha, só para acertar o desenho, porque tudo tem limite.
Nanda começou parando de depilar as axilas porque achava opressor.
Abandonou a depilação da virilha porque era uma sujeição aos padrões estéticos do patriarcado.
Acha que as mulheres devem se aceitar como a natureza as fez, e se exibe, orgulhosa, no instagram, com as canelas felpudas.
3.
Drigo não se sente à vontade para tomar a iniciativa no sexo. Acha que tem um quê de assédio, sei lá.
Tem se queixado com os amigos que a Nanda já não o procura mais como no início do relacionamento.
Nanda precisa que o secretário a lembre da data de aniversário do casamento.
Chega quase sempre cansada do trabalho. Com tanto problema na cabeça, não tem muito pique pra transar. Pelo menos não em casa.
4.
Júnior odeia balé, mas entendeu que um menino deve ser obediente.
Manu acha o muay thai muito chato, e preferia uma Barbie esquiadora à Frida artesanal.
Manu aprendeu granjetê com o Júnior. Tem deixado os coleguinhas do muay thai desconcertados – e com hematomas.
Júnior aprendeu chave de braço, joelhaço e faca de mão com a Manu. Ninguém mais se mete com ele quando o vê saindo de tutu.
5.
Drigo tem lido algumas revistas masculinas, que dão dicas para resolver o problema das unhas quebradiças e sugestões de como apimentar o relacionamento.
Nanda se cadastrou num aplicativo de encontros – com nome falso – e tem tido encontros casuais na hora do almoço.
6.
Júnior se assumiu hétero, parou de descolorir o cabelo e ouviu da mãe – após um longo suspiro inconformado – que, haja o que houver, ela estará lá para apoiá-lo, independentemente das suas opções.
Manu ainda está indecisa, como toda adolescente. Ouve pop coreano às escondidas e se tranca no banheiro para usar alguns dos cremes hidratantes do pai.
7.
Nanda tem sentido umas pontadas no peito e a sensação de que carrega o mundo nas costas, e ninguém reconhece isso.
Drigo luta contra a balança e passou a frequentar um grupo que se explora o conceito de broderidade.
8.
Nanda ficou ainda mais poderosa com look grisalho.
Drigo não consegue assumir os fios brancos.
9.
Manu gosta de um menino que conheceu no futebol, mas por enquanto prefere manter um namoro de fachada com uma colega de faculdade.
Júnior foi morar com a coreógrafa, e milita contra o matriarcado opressor.
10.
Drigo sabe que fez o melhor que pôde pelos filhos, mas imagina como tudo seria diferente se tivesse investido na carreira de engenheiro mecânico.
Nanda sabe que foi uma boa provedora, que não deixou faltar nada em casa, mas tem hora que… deixa pra lá. As crianças estão criadas, cada uma seguiu seu caminho – não o que ela esperava, mas fazer o quê? O que importa é que hoje tem Flamengo na final, e a cerveja está no ponto.
Anúncios

Xerebecanto

xerebecanto

Dom de línguas quem tem são os poliglotas. Esses que ralam na Aliança Francesa, no Goethe, no Duolingo, no Ciciêiêi, Os que falam (e entendem) inglês, francês, espanhol, alemão, russo – porque falar é fácil; entender é que são elas … Dom de línguas estranhas têm os que aprendem húngaro, basco, finlandês, vietnamita, português com a nova regra do hífen.

O que se ouve nas igrejas pentecostais tem outro nome: charlatanismo. Ou, em termos científicos, glossolalia.

Do grego “glóssa” [língua] + “laló” [falar], a glossolalia é um fenômeno que a psiquiatria e a linguística aplicam a situações em que um indivíduo, teoricamente tomado de fervor religioso, desanda a falar numa língua que nem ele (nem ninguém) conhece.

É diferente da Xenoglossia (do grego xeno [estrangeiro] + glosso [língua] que é quando alguém fala uma língua (existente) que nunca foi aprendida (meu sonho de consumo com o alemão).

Existe, ainda, a livre vocalização, que é mais ou menos o que fazem os bebês quando começam a balbuciar. Ou os compositores quando acaba a inspiração para a letra e completam a melodia com lalalá, lererê, chananá ou yeah yeah yeah.

Na Bíblia, em Pentecostes, teria acontecido o fenômeno de Xenoglossia. Tomados pelo Espírito Santo, os apóstolos – que eram pessoas simples, sem muita leitura – começaram a falar em diversas línguas. Com isso todos os presentes à festa puderam ouvir a palavra de Deus, cada um em seu próprio idioma.

Logo, esse “dom de línguas estranhas” não era exatamente o dom de línguas estapafúrdias, mas de línguas de outros povos.

Os pentecostais (cujo nome deriva, como já deu pra perceber, de Pentecostes) parece que não pegaram bem o espírito da coisa. Em vez de falar búlgaro, sânscrito, tupi ou tagalog, falam xerebecanto – que não é língua de ninguém e que ninguém entende. O seu sentido – como disse o filósofo e linguista búlgaro Tzvetan Todorov – é ser ininteligível.

Chico César é expert nesse idioma: “Ô amaradzáia zoê. Dzáia, dzáia A rin fingá do ran ran”. E o finado Skank complementa: “Deriráum daum daum, dererum dáu du dáum, deriraum daum daum”. E o João Bosco afirma que “dunga gaguiê gaguncê dagunci dungá gaguiê aibibuloba aidubuloba ai ai ai”. E o Carlinhos Brown completa: “Magamalabares acqua marã no parquinho oxaiê”.

Seria o xerebecanto uma linguagem poética, acessível apenas aos anjos e aos iluminados da MPB?

Há controvérsias. Primeiramente, porque o xerebecanto não é uma língua. Não possui estrutura sintática: é mera repetição de fonemas de língua-mãe do pastor (mesmo ritmo, mesmas pausas, mesmos padrões de consoantes e vogais).

Um pastor de Coxiporé do Norte falará fluentemente “Decanta labaxuria cantararamás”, mas jamais profetizará “zczęściewzględny chrząszczpszcz” ou “mézeskalácssütés viszontlátásra” – que pastores tchecos e húngaros, respectivamente, tirariam de letra.

Há teses de mestrado sobre o assunto. Sílabas vocalizadas aleatoriamente têm o mesmo grau de complexidade de “revelações” como “naconte merecanto nana naconderé, na conderemaná saconde conde que mené nem façá”,

“Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.” (1 Coríntios, 13). Ou seja, barulho, gugugu dadadá. Nhenhenhém, blábláblá.

Não mate seu anjo da guarda de vergonha alheia. Ao se dirigir a ele, faça-o em português ou em qualquer das línguas encontráveis no Gúgol Translêitor. Caso contrário, é capaz de ele não te atender, por achar que é só a Baby Consuelo chamando os filhos (“Nanashara, Sarashiva, Zabelê, Riroca!) pra janta.

Senhor

rabugento

Detesto que me chamem de “senhor”.
Acho falta de respeito.

Por acaso estou ficando com ruga, barba branca, bolsa nos olhos, careca, barrigudo e rabugento?
Ok, mas isso não quer dizer nada.

Se eu não fosse ateu, podia até resmungar que “Senhor é só Deus”, mas nem esse argumento eu tenho.
Sem contar que resmungar é coisa de velho, e eu só resmungo quando não tem ninguém mais novo que eu por perto.
O que, inclusive, é cada vez mais raro.

“Senhor” é tratamento devido a, sei lá, gente velha.
Quem já passou dos 40.
Quer dizer, dos 50.
Oops, dos 60.

E quanto mais velha é a pessoa que me chama de “senhor”, mais furibundo eu fico.

Furibundo não, porque furibundo é expressão de velho. Mais irado eu fico. Se bem que parece que “irado” não significa mais o que significava no meu tempo.

Aliás, é bom evitar dizer “no meu tempo”, que é sinal claro de que o tratamento “senhor” é mais que devido.

Diga “ainda há pouco, nos anos 70”, mas não diga “no meu tempo” ou “antigamente”.
Pode dar a impressão que você é saudosista.

E saudosismo é demodê.

A propósito, tem pouca coisa mais demodê que falar “demodê”.

~

Desde que começaram a me chamar de “senhor” (e já faz algum tempo), estabeleci umas regrinhas básicas para quem quer tentar envelhecer com dignidade:

1. Não usar tênis chamativos. Laranja, rosa-choque, verde limão, tudo bem. Mas daqueles de luzinha, nem pensar.

2. Não usar gíria. Gíria entrega a idade, bicho.

3. Não se envolver emocionalmente com quem tenha menos de um terço da sua idade. Primeiro porque as chances de alguém com um terço da sua idade querer se envolver com você são remotas. Segundo, eu esqueci qual era o segundo motivo. Mas eu lembro. Até o final do texto eu lembro.

4. Não se paramentar todo(a) para malhar da Bodytech. Fica muito boko moko. Prefira o bom e velho moleton pra ir malhar na praça, onde tem sempre uns aparelhos coloridos rodeados de viúvas e divorciadas (e um ou outro velhinho assanhado), com quem se pode entabular um colóquio supimpa sobre osteoporose e disfunção erétil.

5. Não usar nunca as palavras “entabular”, “colóquio” ou “supimpa”. Elas são anacrônicas. Aliás, a palavra “anacrônica” também é anacrônica, apesar de ser supimpa.

6. Sair do feicebuque. Nem pensar em ter tuíter, instagrã. Muito menos tínder, grinder ou par perfeito. Todos esses lugares fazem a gente se sentir muito mais velho do que já é. Sem contar que não dá pra decorar tanta senha.

7. Ah, sim, o segundo motivo para não se envolver com alguém com menos de um terço da sua idade é que isso faz a gente se sentir ainda mais velho. Principalmente quando esquece alguma coisa e tem que fazer aquelas pausas infinitas no meio de frase que fazem a gente parecer apresentador do Masterchef anunciando o eliminado da prova.

E se com um aspecto tão jovial quando o seu, com esse seu jeito jovem de espírito e prafrentex de ser, alguém ainda te chamar de “senhor” (ou “senhora”), não hesite: desça uma bengalada na cabeça dela para ela aprender a respeitar os mais velhos.

(publicado originalmente em novembro de 2016)

Isentão

muro

– Aqui está a nossa carta de vinhos. Temos um excelente Château Petrus 2004, de R$ 16.120,00, e este Vinho Canção Suave, por R$ 12,90.

– Não têm nenhum Malbec argentino, um Concha y Toro, um Bolla Valpolicella, um Miolo Seleção?

Garçom, entre os dentes:

– Isentão….

Isentão é isso. O sujeito que, entre jogar dominó na praça e escalar o Himalaia de costas sem oxigênio e num pé só, prefere correr no calçadão. Ou dar umas braçadas. Ou fazer meia hora de esteira e três séries de 10 no supino.

Poderia ter tido outros nomes.

Sensatão.
Racionalzão.
Equilibradão.
Responsavelzão.

Mas o que pegou foi isentão, fazer o quê.

Isento quer dizer liberto, livre, desembaraçado, imune. Limpo, imparcial, justo, desapaixonado. Neutro, sensato.

– E aí, sensatão, quando é que tu vai sair de cima do muro?

(Não ia dar certo. Não como xingamento.)

– Quer dizer que nem James Joyce nem Paulo Coelho; você prefere Cortázar? Seu independentão de m… !

(Não, também não ia funcionar.)

– Sou contra as duas coisas: explodir mesquita e metralhar sinagoga. Acho que…
– Acha nada. De imparcialzão como você, o inferno tá cheio!

– E aí, vão querer a folha de rúcula com chia ou porção tripla de linguicinha com torresmo?
– Vê pra gente um salmão e um espaguete ao pesto, por favor.
– Olhaqui, meu ponderadão, o prato do dia é rúcula com chia ou linguicinha com torresmo. É o que tá pronto e sai na hora. Issaí que tu pediu vai demorá. Pode inclusive nem saí.

Há um círculo do inferno reservado aos moderadões.

No juízo final, os comedidões vão pagar por ter se omitido nas questões vitais, como biscoito ou bolacha (eles preferem bráune ou rosquinha de nata), feijão por cima ou por baixo do arroz (melhor mexidinho, com couve e ovo frito), Coca ou Pepsi (Mineirinho!), Heath Ledger ou Joaquin Phoenix (Cesar Romero), Feicebuque ou Instagram (vida real).

A Suíça é aquela droga de país porque é uma isentona. Bom mesmo é a Síria. Lá, sim, as pessoas têm posição definida.

O desapaixonadão entende que o que separa a anorexia da obesidade mórbida não seja um muro onde ficam encarapitados os irresolutões, vacilantões, ambiguões e titubeantões de índice de massa corporal entre 19 e 25, mais ou menos – mas que há, entre esses extremos, um vasto campo chamado vida saudável.

O isentão é um botafoguense que não tem por que se meter na porradaria de uma final de Fla x Flu.

Pode, no máximo, ligar pro 190 e acionar o SAMU.

Fap fap fap

NoFap

Acabou setembro e, com ele, o NoFap September.

Mas se você perdeu esta oportunidade, mãos à obra que ainda dá tempo de se engajar no NoFap October, November, December…

Se não faz ideia do que seja esse tal de NoFap, vou dar uma mãozinha.

NoFap é um movimento antimasturbatório.

Quer dizer, um não-movimento, porque o que não se pode é justamente movimentar.

Quem foi adolescente nos anos 60, 70 sabe que masturbação fazia nascer pelos nas mãos, dava espinhas no rosto, enfraquecia o espírito e só não causava tuberculose porque esse sintoma já tinha saído de moda nos anos 40 ou 50.

Nos anos 2010, o vício solitário provoca baixa de testosterona, disfunção erétil, perda de tempo e obscurecimento mental. Ou seja, um apigreide e tanto.

Não entendo como ainda não surgiu um estudo científico comprovando que masturbar-se é a principal causa de uso de tênis colorido, camiseta, boné virado para trás e aparelho nos dentes.  É questão de tempo.

O NoFap pode ser praticado em 3 modalidades: a básica (abstenção de pornografia), a intermediária (abstenção de pornografia e de masturbação) e a avançada (avançada? É a mais retrógrada de todas: sem pornografia, sem masturbação nem orgasmo).

Os depoimentos de quem virou o jogo do 5 contra 1 são tão críveis quanto os de quem conseguiu perder 30 kg, aumentou o pênis em 9 cm e aprendeu a regra do hífen – tudo em uma semana, e só tomando fitoterápico:

“Notei várias mudanças: a minha voz fica mais profunda eu fico mais carismático; mais magnético, os homens e as mulheres gostam de se comunicar comigo, minha pele fica melhor e, em geral eu tenho mais energia e as minhas emoções e pensamentos ficam mais facilmente sob controle.”

Nada muito diferente do que preconizava o dr. Georges Surbled, autor de um dos meus livros preferidos, o “Conselhos aos Rapazes” (tenho a edição portuguesa, de 1954).

Ali ele diz que “Os órgãos sexuais do homem (…) denominam-se com toda a propriedade órgãos vergonhosos. Acusam eles a concupiscência, que foi o triste fruto do pecado original”. “Qual a razão por que se consideram mais importantes mais nobres que os órgãos intestinais e urinários, aos quais estão intimamente ligados? Menos preciosos que estes, apenas têm um fim: a geração; e não devem visar a esse objetivo nem realizá-lo senão no matrimónio. Fora disso, para todo o homem que se preza, eles não se destinam a coisa nenhuma.” “O celibato (…) não só não abrevia a existência, mas, também, prolonga dum modo notável a vida dos eunucos voluntários.”

Antecipando o nofapismo, o pudico dr. Surbled era duro em suas opiniões; “O repouso absoluto dos órgãos genitais impõe-se. Infringiria gravemente o dever e expor-se-ia aos piores perigos, quem distraidamente levasse lá uma mão, por divertimento ou ociosidade, sobretudo exercendo fricções repetidas sem um fim justificável. (…) É um crime contra a natureza. E esse crime é proibido pela lei religiosa e pela medicina, que nele vê a sinistra origem das doenças mais graves, e até às vezes mesmo um perigo mortal.”

Como se livrar disso? Evitando os cafés e botequins – onde há más companhias, vinho, mulheres e tabaco. Evitando colchões moles e cobertores (ficar na cama mais que o estritamente necessário é “muito prejudicial à saúde e indigno dum homem”). Evitar banhos quentes e perfumes (“Deixem-se de ser maricas e não copiem das meninas este defeito que as desfeia e prejudica”). Desviar os olhos “das gravuras obscenas, dos postais ilustrados, dos quadros ou das estátuas que excitam os sentidos e perturbam o coração”.

Dr. Surbled deve estar gozando no túmulo a satisfação de ver suas ideias recuperarem a potência neste ano da graça de Nosso Senhor Jesus Cristo de 2019. E sem precisar ameaçar ninguém com o fogo do inferno.

A cruzada contra o “vício predilecto” agora tem saite e atende pelo nome de NoFap. Que nem é sigla (No Friction and Pleasure? No Flogging a Prick? No Fondling a Popsicle? No Fooling Around, People?), como eu pensava – mas uma onomatopéia para a diversão mais barata jamais inventada: fap fap fap.

Mas quem se masturba fazendo fap fap fap realmente deve estar fazendo alguma coisa errada (e fazendo errado). Devia parar e aprender como se faz direito.

 

Sofrimento, dor e compaixão

dor 2

Quando entraram em contato propondo que eu escrevesse uma coluna n’O Globo, fiz mentalmente uma lista dos assuntos que gostaria de abordar.

Claro que o noticiário me atropelou várias vezes. O Museu Nacional pegou fogo. Os médicos cubanos foram embora. A ministra viu Jesus na goiabeira. Gente famosa falou besteira. Gente muito famosa falou muita besteira.

Mas os temas que me são caros sempre estiveram em pauta.

A língua portuguesa, essa nossa outra pátria, sem sapatos e sem meias, tão pobrinha.
O politicamente correto, o lugar de fala e outras formas de censura.
O cinema.
A morte.

Ainda vou escrever sobre o poder da poesia. A arquitetura carioca. A depressão. O amor nos tempos da intolerância.

Ontem foi a vez de falar da empatia, da compaixão, num texto sobre os prazeres e dores da carne.

Minha irmã me disse uma vez: “Parei de comer carne porque é muito cara. O preço é a dor”.

Ela nem se lembra de ter dito isso. Mas a frase ficou ressoando aqui dentro. E anos depois, vendo uma série de documentários sobre pesca, granjas, abatedouros, tudo finalmente fez sentido.

É conveniente não saber o que se passa nos bastidores da indústria de alimentos (e na cozinha dos restaurantes). Ou fica difícil engolir o cachorro quente, o hambúrguer, a vitela, o empadão de frango, o foie gras, o sushi, o chester, o iogurte, a omelete.

Não sou contrário ao consumo da carne. Ela faz parte da dieta da nossa espécie. Mas será que são válidos todos os meios para obtê-la? Creio que não, ou comeríamos carne humana, que é tão nutritiva (e, dizem, tão saborosa) quanto a bovina ou a suína. E não o fazemos porque há uma questão moral.

Escrevi sobre os limites éticos da exploração animal. Não usei a palavra “compaixão” (nem todo mundo exercita esse sentimento), mas “dor” e “sofrimento” (que todo mundo sabe bem o que são). Não fiz apologia a nenhum tipo de dieta. A ideia (como em qualquer texto que eu tenha escrito, aqui ou lá) não era doutrinar ou dar lição, mas expor um ponto de vista.

A coluna n’O Globo fica na página 3, a de Opinião. O jornal tem excelentes analistas políticos – e não sou um analista político. Tem jornalistas especializados – em cultura, esporte, informática, economia… – e não sou jornalista. Sou um homem comum, com direito a 4000 caracteres quinzenais para dizer o que penso sobre o que me der na telha. Poderia escrever crônicas (o jornal tem ótimos cronistas), fazer humor (o jornal também tem ótimos humoristas – por vezes, involuntários, mas isso é outra história). Acabo fazendo um pouco de cada coisa, que é o que um homem comum faz.

Alguns temas repercutem mais; outros, menos. Alguns são controversos; outros, nem tanto. E há os que têm o dom de provocar curtos-circuitos mentais, dissociações cognitivas – principalmente quando não são lidos.

Uma coisa é ler e não entender (acontece comigo quando me deparo com Lacan ou Carluxo, com textos em dilmês ou em árabe). Outra é conhecer os caracteres, formar as sílabas, juntá-las em palavras, perceber uma sintaxe e, ainda assim, não ler. Vir com uma ideia preconcebida e dela não se afastar um milímetro. Ler cegamente, sem se abrir ao que outro diz.

E há, ainda, o não ler – literalmente. Sequer pôr os olhos no texto. E, mesmo assim, discordar dele. Algo como passar na frente do cinema, ver o letreiro “Um estranho no ninho” e dizer que odiou porque não faz sentido fazer filmes sobre pássaros.

Tão certo quanto após uma sexta-feira 13 vir um sábado 14 é escrever sobre direitos dos animais e alguém retrucar que alface também é um ser vivo. A gente respira fundo, pensa que a revolução cognitiva ocorrida há uns 70 mil anos ainda não teve tempo de atingir todos os homo sapiens, e segue em frente.

Somos parte de uma cadeia, na qual uma vida se alimenta de outras vidas. Logo, a questão não é a equivalência entre assassinar alfaces ou abater bezerros recém-nascidos, mas o nível de sofrimento que infligimos a outros seres desnecessariamente. Vegetais não possuem sistema nervoso central e não são capazes de experimentar dor tal como a concebemos.

“Brócolis também é um ser vivo, que é arrancado da terra para o seu prato. Sua coluna de hj é um horror, onde você destila pseudo cultura.”, escreve A. – que leu a coluna e pelo menos teve a originalidade de trocar o alface pelo brócolis.

101 entre 100 textos sobre ética animal recebem os mesmos comentários.

“Se não houvesse consumo de carne bovina certamente os bovinos estariam à beira de extinção”, escreve J., que não leu o artigo, mas comentou assim mesmo.

Isso é mais ou menos como dizer que a mão tem cinco dedos por causa da luva.

Somos nós que dependemos do bovinos para viver, não eles de nós. Há 24 espécies de bovinos, do boi ao bisonte, do búfalo ao iaque, passando pelos antílopes. Por incrível que pareça, bois e vacas não se extinguiriam se não os confinássemos, castrássemos, lhes déssemos sal e ração, os apartássemos de seus filhotes, exauríssemos seu leite e finalmente os abatêssemos a marretadas. Bisontes, búfalos, iaques e antílopes estão aí para provar.

“Nossos antepassados não inventaram o arco e flecha para caçar repolho”, afirma F. – também sem ter lido meu texto.

Não sei muito dos hábitos alimentares dos repolhos da Idade da Pedra, mas nunca tive dúvidas de que nossos antepassados tenham inventado arco, flecha e tacape para se defender de outros predadores (tigres de dente de sabre, por exemplo) ou para caçar mamutes, renas e outras presas mais ágeis que um repolho.

Como a Lei de Godwin não falha, não seria um texto sobre vegetarianismo a exceção:

“Os nazistas foram responsáveis pela primeira tentativa de criar uma legislação equiparando humanos e animais. É conhecido o fato de que Hitler não comia carne e a própria ideologia nazista valorizava a natureza, a ecologia e os animais. Essa visão exacerbada sobre os animais e a natureza não é algo à parte de sua ideologia genocida. Não é que o vegetarianismo seja em si nazista, mas supor que está em um lugar isento de ideologia é um erro”, me informa M. (que tampouco leu meu artigo).

Hitler falava alemão, logo… Hitler amava seu cachorro, portanto… Hitler tinha bigode, ouvia Wagner, gostava do ar puro das montanhas, consequentemente…

Passei décadas acreditando que a ideologia nazista estivesse intimamente ligada ao preconceito, ao genocídio, à barbárie – mas ela está intimamente ligada é à natureza, à ecologia, aos animais. Eu devia ter dado ouvidos aos petistas que me mandaram, durante anos, estudar História. Teria descoberto que eu – que falo algo de alemão, amo meus cachorros, tenho bigode, ouço Wagner, gosto do ar puro das montanhas, sou ligado em ecologia e direitos dos animais e não como carne – além de fascista sou também nazista.

“Não pude deixar de imaginar como seria a tutela dos direitos de zebras, cervos e salmões ante a voracidade de leões, tigres e ursos. Talvez fosse o caso de ajustarmos nossa hipocrisia disfarçada e nossa sensibilidade”, diz B. (outro que não leu o artigo, mas se sentiu habilitado a comentar assim mesmo).

Leões não prendem zebras em cubículos, sobre grades, impedindo-as de se movimentar por meses a fio. Ursos não mantêm salmões em cativeiro alimentando-os à força e à base de hormônios para acelerar seu metabolismo. Tigres não separam cervos dos seus filhotes logo após o nascimento, matam o recém-nascido e ordenham a mãe diariamente, até induzi-la a nova gravidez, e assim por diante, até que ela não possa mais reproduzir e seja sacrificada.

Leões, tigres e ursos apenas pegam, matam e comem. E só quando têm fome ou para alimentar suas crias, não para fazer reality shows de gastronomia ou socializar com os amigos ouvindo pagode em volta da churrasqueira.

“E os pernilongos? E as moscas? E o Aedes aegypti?”, perguntam mais uns 3, numa variação menos inteligente da Falácia do Alface.

Eu amo (sim, o verbo é esse) meus cachorros, e os cachorros em geral. E mataria, se fosse necessário, um cachorro que me atacasse. Ou qualquer ser humano, em legítima defesa. Por que não o faria com um inseto ou um vírus?

“Curiosa essa extensão da ética, criação que opera exclusivamente no domínio humano, ao reino animal, regido por outras leis, estas naturais. E, mais interessante ainda, o non sequitur expresso na ideia de que, para parar com a crueldade dos métodos de manejo dos animais, devemos parar de comer carne (e não mudar os métodos). Que tal o autor tentar filosofar sobre a questão com um lobo faminto, e ver o que lhe aguarda”, questiona N. (que, obviamente, tampouco leu meu artigo). Ou saberia que escrevi justamente que temos que mudar os métodos, já que parar de comer carne parece inviável.

Se há quem concorde com Marx sem tê-lo lido, por que não haveria quem discordasse de mim sem ler o que escrevi? Sim, é mais fácil argumentar com um lobo faminto.

“Comparar escravidão e tortura com o consumo de carne ou alegar falta de ética de quem consome carne mais prejudica do que ajuda a causa vegana. Uma soberba nível hard. Aliás típica de quem se acha superior a quem come carne”, pontifica M., admitindo que não leu o artigo.

Eu não acho veganos superiores a ninguém, não sei de onde ele possa ter tirado isso. Não comparo escravidão e tortura com o consumo de carne, e não sei de onde alguém possa deduzir tal coisa. Mas acho uma soberba nível hard julgar algo ou alguém sem sequer tomar conhecimento de quem seja a pessoa ou do que ela tenha dito ou escrito. É preciso se sentir muito superior para agir assim.

“Animais comem animais. Eles estão errados? O próximo passo é ensinar leões a comer alface? A morte é inevitável”, filosofa A.

Eu talvez devesse informá-la que animais não só comem outros animais, mas comem também vegetais. E que há vegetais que comem animais (sim, as plantas carnívoras não são coisa de filme trash). Que não é possível ensinar leões a comer capim, assim como não dá para doutrinar girafas para caçar coelhos.

Mas paro por aqui, com o choque dessa revelação feita pela leitora (que não leu o que escrevi). Eu jurava que a vida era eterna. Não só a minha como também a do leitão à pururuca que não comi hoje, e a do espinafre que comerei.

Enquanto os argumentos a favor da crueldade forem esses (e sempre esses, e nenhum além desses), não será preciso acionar qualquer neurônio extra para defender meu ponto de vista.

White people problems

WPP

“White people problems” são os problemas dos outros – não importa a cor da pele.

Um preto que reclame que bateu o carro está tendo “white people problems”, porque pobrema mermo é pegá duas condução pra chegar no trabalho.

O que, por sua vez, é “white people problem” pra quem teve que fazer baldeação na Central vindo de trem do ramal Japeri, e vai a pé até a Praça 15 pegar a barca pra tentar arrumar emprego em São Gonçalo.

Qualquer perrengue que a gente conte no FB é “white people problem” (doravante chamado apenas de WPP) para alguém que teve um perrengue ainda maior. Ou menos divertido.

Meu WPP de hoje foi um exame de risco cirúrgico. Um dos exames, porque é uma bateria, cada um feito num lugar diferente – WPP dos bons, já que o plano cobre (de má vontade, mas cobre), e problema mesmo seria ir para a fila do SUS.

7h30 da manhã no Arpoador, depois de engarrafamento em São Conrado (WPP dos brabos!).

– Bom dia, tenho um eletro agendado para agora, 7h30 (era para chegar meia hora antes, mas não deu).

– Seu nome?

– Sidney Affonso (tenho que usar o primeiro nome, fazer o quê?)

– A médica não veio.

– Então está cancelado o exame? (levantei às 5h30, tomei café no galope, saí sem escovar os dentes, peguei engarrafamento e ninguém manda nem um zap pra avisar que a médica não apareceu? Bom, problema mesmo seria ter passado a noite em claro, o pó de café ter acabado, não ter dentes e o celular estar sem crédito até para receber zap).

– É.

– Não tem outra médica?

– Vou ver.

Consulta o terminal, disca para alguns ramais que não atendem, por fim se levanta e vai ver pessoalmente.

– Não, é só ela que faz eco.

– Mas eu não vim fazer eco. Vim fazer eletro.

– O senhor falou eco.

– Não, eu falei eletro.

– Falou eco, sim, sr. Sílvio!

(Respiro fundo. Mentalizo um palavrão. Na verdade, uma expressão envolvendo uma prestadora de serviços sexuais remunerados que deu à luz. Expiro.)

– Eu não me chamo Silvio, e não vim fazer um eco. Vamos começar tudo de novo. Bom dia. Meu nome é Sidney, e eu vim fazer um eletro. (O eletro não vai prestar, porque, apesar de eu falar pau sa da men te, o coração está acelerado).

Ela consulta o terminal, e está lá o Sidney e o agendamento do eletro.

– Ok, a carteirinha do convênio, a identidade e a requisição do médico, por favor. (Pelo tom de voz, e pela dureza do “por favor”, ela ainda tem certeza de que eu disse que era Silvio e queria fazer um eco).

Entrego a requisição – e é a de outro exame, para outro dia, em outra clínica.

Pelo menos estava uma manhã linda no Arpoador. E, mesmo sem ter direito, passei na recepção e filei um capuccino com bolo de chocolate.