Obrigratidão

rotulos

– Obrigratidão.

– Como é que é?  Você disse…

– Obrigratidão. Obrigado pra quem é de obrigado, gratidão pra quem é de gratidão.

– E isso funciona?

– Não. Os que são de gratidão acham que estou sendo sarcástico e os de obrigado acham ainda mais ridículo que gratidão.

– E por que você usa?

– Para irritar quem acha que o outro tem que ser grato do jeito dele. Eu sou grato do jeito que eu quiser. Dependendo do caso, posso até usar obrigratiluz.

– Deve ser difícil…

– Não tanto quanto ser transcis.

– Quem?

– Transcis. Me identifico com meu gênero biológico e com o gênero biológico oposto.

– Genderfluid, então.

– Não. Eu não fico oscilando. Não tenho que deixar de ser uma coisa para ser outra.  Não entro nessa dicotomia reducionista de ter que escolher entre ser cis ou trans.

– E a reação é…

–  Sofro bullying dos cis por ser trans e sou visto com desconfiança pelos trans por ser cis. Sem falar nos genderfluid, que me acham um farsante.

– Tenso.

– Tiro de letra, porque sou mulato. Os brancos não me acham branco, e os pretos que me acham preto não me acham preto o suficiente. Vivo num limbo identitário, porque meu mulatismo militante é visto como pelos brancos como oportunismo afrodescendentista só para pegar cota, e pelos pretos como embranquecedor e negacionista da negritude.

– Uau! Olha, foi muito bom conversar com você.  É interessante ver alguém que busca se manter longe dos rótulos e…

– Mas eu não fujo dos rótulos. Eu acho os rótulos uma coisa muito pequena. Eu já estou na fase dos letreiros, dos autidórs. Eu sou fofoda.

– Fofoda?

– Fofo e foda.

– Nossa, é raro encontrar pessoas assim, tão dialéticas. Não é todo mundo que consegue elaborar os paradoxos.

– Se quiser, podemos tomar um chopperol, que é um chopp com aperol…

– Não, agora não dá. Outro dia, quem sabe? É que sou atriz, feminista e tenho que ir posar pelada contra a objetificação da mulher. Acho que temos muito em comum…

Quanto mais complicado melhor

tomara que caia

Tem coisa que eu não entendo.

Futebol americano, por exemplo. Por mais que já tenha assistido, não consigo vislumbrar regra alguma. É uma espécie de vale tudo com uma bola que não é bola (bola naquele formato, pra mim, é um oximoro) e um monte de marmanjos sem amor aos próprios ossos e cartilagens.

Eleição americana é outra coisa ininteligível. No mundo incivilizado, os partidos escolhem seus candidatos, os eleitores votam naquele que, a seu ver, mente com mais naturalidade e quem tiver mais voto está eleito. Já no país mais rico da Via Láctea, os partidos fazem disputas internas em que os postulantes gastam fortunas se estapeando entre si para no final – milhões de dólares mais pobres e todos um pote até aqui de mágoa – esquecerem as barbaridades que disseram uns dos outros e se unir contra o adversário de verdade.

E aí tem eleição? Não. Aí começa um processo hermético, enigmático e kafkiano em que pequenos eleitores elegem grande eleitores que votam num candidato que pode ser eleito mesmo tendo menos votos.

Não entendo a regra do impedimento. Ou até entendo, só não entendo por que ela exista.  E por que envolva tanta subjetividade por parte dos comentaristas esportivos.

Não entendo a regra do hífen. Ou, como na do impedimento, entendo, mas não me conformo. A regra, a bem da verdade, é clara: tem hífen onde a regra diz que tem que ter, mesmo que não precise, e não tem hífen onde a regra diz que não tem, mesmo que ali ele faça falta.

A regra do hífen deve ter sido criada pela mãe de alguém, com base na inquestionável sabedoria do “é porque sim” ou do “o dia em que você inventar sua língua você faz do jeito que quiser; mas enquanto você estiver na minha casa, usando a língua materna, é assim que vai ser”.

Há muito mais coisas que não entendo.

Não entendo por que as assessoras da Damares, da Regina e da Michelle não criaram um grupo no zap na véspera da posse para evitar que elas ficassem parecendo três galinhas d’angola na cerimônia. Ou por que uma alma caridosa não informou ao Jair que não era uma boa ideia (era uma péssima ideia, pra falar a verdade) bancar o ventríloquo com um humorista num encontro com a imprensa. E logo no dia de explicar o pibinho – que era o dobro do pibinho do FHC no primeiro ano do segundo mandato, o mesmo pibinho do Lula no primeiro ano do primeiro mandato, muito maior que o pibinho negativo do Lula no penúltimo ano do segundo mandato e muitíssimo melhor que os pibaços negativos dos dois anos do funesto segundo mandato da Dilma.

Qualquer outro teria aproveitado o momento para dizer que o país foi tão bem, mas tão bem, que nem com o presidente criando crise atrás de crise, treta em cima de treta, espalhando casca de banana para si mesmo o tempo todo (as bananas ele deu à imprensa) o pib conseguiu baixar a níveis dílmicos.

Tem mais coisa que não entendo. Como é que pode o valor de mercado do meu apartamento cair e o IPTU ficar mais caro. Por que o Ronaldinho Gaúcho usaria um passaporte paraguaio – e falso, ainda por cima. Se não saía mais em conta a Hering colocar uma alça reforçada em todos os tomara que caia do planeta em vez de bancar essa campanha milionária para a gente passar a chamar o tomara que caia de blusa sem alça.

Tomara que caia a regra do hífen. Tomara que o presidente caia em si para que o pib pare de cair. Tomara que a Regina não caia de novo nessa conversa de “pode ir sem medo , que ninguém mais vai estar usando bolinha”. Tomara que o Ronaldinho não caia no golpe do “la garantia del passaporte soy yo”. E tomara que o tomara que caia (com ou sem hífen?) sobreviva a essa malice sem alça, que há de querer acabar também com o assédio do pega rapaz, o tabagismo da calça cigarrette, a homofobia da camiseta mamãe sou gay, a pirataria da calça corsário, o falocentrismo da regata machão, a subversão dos valores familiares do maiô engana mamãe, a apologia ao crime do bolso faca e ao especismo da saia rabo de peixe e do macacão.

Porque eu não entendo essa vocação americana para complicar tudo, tanto quanto jamais entenderei essa nossa para a problematização e para a concretude.  O que, no fundo, dá na mesma.

Sem fantasia

Fantasia

Clóvis Bornay e Evandro de Castro Lima não morreram.

Estão vivinhos da silva – um morando no Catete, outro na Glória. Vizinhos de metrô.

Evandro passou há pouco dos 100 anos; Bornay acabou de completar 104 em janeiro.

Ambos, claro, mentem a idade. Até porque aparentam menos. Uns 15 minutos menos.

São grandes amigos. Toda aquela rivalidade era coisa da mídia – ainda que realmente se odiassem.  Mas um ódio construído à base de uma inveja que era 90% admiração. Um “ódio do bem” do bem mesmo, como quem diz “ah, como eu te odeio!” enquanto abraça o outro carinhosamente e lhe ajeita o colarinho.

Todo ano eles combinam de voltar aos concursos de fantasia do Municipal e do Monte Líbano, mas os concursos de fantasia do Monte Líbano e do Municipal não voltam mais.

Ontem se falaram pelo zap.

– Evandro, este ano é o seu centenário. Tem que comemorar. Isso só acontece uma vez na vida!

– Sei não, Clóvis. Ando desanimado. Não tenho mais aquele vigor de 80 anos atrás.

– Larga de ser frouxo, homem! Bota aquela sua fantasia de “Esplendor e Glória do Xá da Pérsia Diante do Czar de Todas as Rússias  Numa Noite de Verão” e vamos pro Sírio e Libanês!

– Eu sou baiano, não posso me fantasiar de xá da Pérsia, porque é uma ofensa aos persas – que nem existem mais – aos aiatolás e, se bobear, a todos os russos. Sem contar que eu moro no Catete, e acho que não tenho lugar de lugar para me fantasiar de alguma coisa com Glória no nome. E vamos combinar que “Esplendor e Catete” não rola, né?

– É. Tá difícil. Eu ia de “Apogeu Sublime de um Faraó Egípcio na Suntuosa Corte da Rainha de Sabá” mas meu privilégio de branco não permite.

– Será que a gente não consegue uma fantasia aceitável? Sei lá, uma sem pena de pavão…

– Porque é apropriação plumária…

– … sem pedraria…

– Porque a mineração é predatória

– … sem paetês e lantejoulas…

– Porque são de plástico não biodegradável, e vão poluir o meio-ambiente por 400 anos.

– … sem miçangas…

– Porque evocam o colonialismo, já que eram usadas nas trocas assimétricas com as populações nativas subjugadas.

– Uma simplesinha, sabe? Tipo “Plenitude e Harmonia de Montezuma…

–  Asteca não pode.

– … na Majestosa Coroação do Marajá de Jaipur”.

– Marajá de Jaipur também não.

– Vem aqui em casa, então. A gente pede uma pizza, abre um espumante, e vê se tem alguma coisa com a Hedy Lamarr ou com o Ramón Novarro na Netflix.

– A gente tem feito isso todo Carnaval nos últimos 35 anos, Evandro. Nem era Netflix; era videolocadora mesmo. E ainda se podia chamar espumante de champanhe.

– Que nome será que tem o biscoito champanhe hoje em dia?

– Sabe que nunca mais vi biscoito champanhe? Vai ver, acabou, como os desfiles de fantasia, como os blocos de sujos, como o senso de ridículo. Como eu e você e a edição especial da Manchete e d’O Cruzeiro.

– Talvez. Mas ano que vem a gente tenta de novo. Até lá, vou ver se consigo pensar em alguma fantasia inofensiva. Que não promova nenhum genocídio, não perpetue nenhuma hostilidade.

– Tomara. Vou chamar a Wilza Carla. Mais alguém?

– Clóvis, e se eu for de “Esplendor Policromático de um Imperador Bizantino Politicamente Correto na Corte Empoderada de Versalhes”, ou de …

– Esquece, Evandro. A gente morreu, e não sabe.

– É, Clóvis. Não tem mais lugar para nós neste mundo.

– A gente sempre foi hors concours, querido.

– Sempre. Quando vier, passa na farmácia e me traz um alcacélcer, que acho que este Carnaval vai me dar azia.

– Vou levar logo três, um para cada. E um saquinho de confete.

– Confete não é apropriação cultural italiana?

– É.

– Então, só os alcacélcers. E traz logo 6 de uma vez.

~

In memoriam:

Clóvis Bornay, 1916 / 2005
Evandro de Castro Lima, 1920 / 1985
Wilza Carla, 1935 / 2011

Raudério

rauderio
Fonte wacandido.blogspot.com.br

 

Já tivemos a Geração Perdida, cuja adolescência foi afetada pela I Guerra, entrou de cabeça nos Loucos Anos 20 e na vida adulta sofreu o impacto da Grande Depressão.

“Perdida” é modo de dizer, porque nos legou o jazz, Hemingway, Pound, Eliot, Joyce.

Em seguida, meio misturadas, a geração Grandiosa e a Silenciosa – gente nascida ou já criança na Grande Depressão, e que viveu (ou morreu) durante a II Guerra.  Pertencem a ela Marlon Brando, Kennedy, Lennon, Marilyn Monroe e minha mãe.

Depois os Baby Boomers, os da explosão demográfica da segunda metade da década de 40 (logo depois da II Guerra, até o início dos anos 60). Foi a geração que passou pela polarização da Guerra Fria, e criou a contracultura.

Veio então a Geração Coca Cola, a partir anos 60, influenciada pelo rock, pela cultura americana, e que (pelo menos no Brasil) assistiu às guerras só pela televisão.

Aí acabou a imaginação para dar nome às gerações e passaram a usar letras – X, Y, Z -, ou, no máximo, a obviedade de um “Millenials” para quem estava na casa dos 20 durante a virada do milênio.

Aqui estamos nós, entrando nos Malucos Anos 20 do século 21 e nos deparando – 100 anos depois do jazz, do Hemingway, da ardecô, do cinema falado, do voto universal, da penicilina – com uma nova geração dando as caras. A Geração Raudério.

É a geração que viveu a guerra contra escovar os dentes depois do Nescau. Contra só seis horas de televisão por dia. Contra ter que arrumar a cama e colocar a roupa suja no cesto.

Minha geração (a Coca Cola, apesar de eu preferir Matte Couro), foi a mentora intelectual disso daí.  Nós é que começamos a exigir (“Cadê a minha Calói?”, “Compre Baton, compre Baton, compre Baton!”) em vez de pedir. Nós usamos sapatos cavalo de aço e calça de nesga – sem que ninguém nos obrigasse a isso. Dançamos imitando movimentos de kung fu, fumamos escondidos no banheiro (eu não: eu só vigiava na porta, para ver se vinha alguém).  Inocentes, achávamos que ‘camisinha’ e ‘rachadinha’ eram palavrões.

Reprimidos, consumistas, sem noção de estética, resolvemos dar aos filhos tudo que não tivemos: videogueime, celular, televisão no quarto, quarto com chave na porta e até o direito de se trancar com coleguinha no quarto.

Deu nisso.

– Raudério entrar no meu quarto sem bater na porta?

– Raudério colocar bêicon na farofa, cebola no vinagrete, açúcar no café?

– Raudério votar de acordo com as suas convicções, não com as minhas?

Uma ditadura raudéria não seria muito melhor que aquela do Conto da Aia, que tanto indignou os raudérios quanto os fez suspirar, sonhadores.

O rauderismo também pode vir a ser conhecido como a Geração Barulhenta, da indignação seletiva. Talvez por lhe faltar uma guerra de verdade como a Guerra Civil Espanhola, a da Coreia, a do Vietnã, a de Biafra.

Fascistas e comunistas queimaram livros – os raudérios querem queimar palavras. Implementar a Novilíngua. Viver um cosplêi de membro da Resistência Francesa, mas sem a boina e com um cigarro mais alternativo no canto dos lábios.

Raudérios, o tio aqui foi censurado, aos 11 anos, por fazer na escola um cartaz de Dias das Mães com uma foto da Leila Diniz grávida e de biquíni.  Era 1970, governo Médici, ouviram falar?

O tio aqui comprava o jornal assim que a banca abria para não correr o risco de chegar lá e o “Opinião” e o “Movimento” terem sido recolhidos. O tio aqui carregou faixa em manifestação pela Anistia, participou dos comícios das Diretas. O tio não é fascista. O tio, inclusive, sabe o que é fascismo (porque estudou), o que é ditadura (porque passou toda a infância, adolescência e parte da vida adulta sob uma), o que é censura (porque viu “Laranja Mecânica” com bolinha preta saltitando na tela para cobrir os pentelhos dos artistas).

Ditadura não é nada disso que vocês estão pensando. Podem acreditar em mim: o tio tem lugar de fala.

Nossa geração sobreviveu ao óleo de fígado de bacalhau, às aulas de OSPB, ao fusca sem ar condicionado nem cinto de segurança, ao cursilho, ao xampu que ardia nos olhos, ao quissuco de framboesa, ao avião com assentos para fumantes, à Lei Falcão, à mãe limpando nosso ouvido com grampo de cabelo, às balas Soft.

Não adianta vir nos fuzilar com o olhar:  crescemos acompanhando fuzilamentos muito mais concretos, os dos dissidentes cubanos no Paredón e dos que tentavam cruzar o Muro de Berlim.  O mundo hoje é muito mais seguro, justo e próspero do que era 50 anos atrás.

E você ainda quer que eu estude História – até essa que eu vivi e da qual você só ouviu falar.

Raudério?

Discurso

discurso

Recicladores de papel de Los Angeles encontraram isto num A4 amassado numa lixeira, na saída do Dolby Theater. Pedem ajuda a quem puder traduzir e esclarecer do que se trata.

“Dear friends, deara friendas and dearx friendxs,

Brazilian democracy is under attack since Pocket went to the Palace of the Higland. He and Zero One, Zero Two, Zero Three, plus Giveseas, who saw Jesus on a guava tree and now wants us not to fuck. And Live, that judgeco from Curitiba. And Guedes who say we are “Parasite”. Along with the astronaut, they took the power in a blow against the brave heart woman and put Squid in jail.

The world must know what really happens in our country, which is not what reality says. But we know. Queiroz is an orange. Zero One had many oranges, too. Alvim is a nazi and Regina needed gays to hide her fat and paint her gray hair. Tati can’t celebrate holidays with her dad because he is a nazist. 56 million nazi fascists in Brazil don’t want to see golden shower on top of newsstands nor little monkeys sticking their fingers inside the little monkey’s ass in front of them. And there is the molotov because of the gay Jesus in the Backdoor Christmas video. That’s censorship!

The secretary of education in Rondonia state wanted to recover classics of our literature, such as “My ass is not a magnet”, by Mario de Andrade. Indian lands are to be turned into new Naked Saws. Not to mention the fake stab, the old man of Havan and the zap aunties.

We need international help – from the Oscar Academy, the United Nations, the Intercept and the Pope – to remove Pocket and bring Squid back.

I want to dedicate this statue to my father and my mother and Andrade Gutierrez, for their emotional support.

Moved with one, moved with all! Nobody releases nobody’s hands! If it affects my existence, I will be the resistor! It’s blow! He not! ”

O papel amassado foi encaminhado ao FBI e à CIA, pois suspeita-se que a linguagem cifrada esconda alguma conspiração. Ainda mais que estava em fonte Comic Sans, e papel timbrado da Ursal.

Pequi

Pequi

“Pesquisadores criam pequi sem espinhos.”

É o fim da picada. Quer dizer, da espetada. Na língua, nas bochechas, no céu da boca.

O pequi não é uma fruta: é um ouriço, um porco espinho, revestido com uma tênue polpa perigosamente comestível.

Pequi sem espinho faz tanto sentido quanto uma hemorragia sem sangue. Um quadrúpede de duas patas. Um ataque cardíaco no fígado.

Desprovido de sua essência, o pequi deixa de ser uma armadilha vegetal, uma mina terrestre da flora, para se tornar um fruto. Qual a graça disso?

Quem vai querer andar numa roda gigante em linha reta, parada no chão?  Num trem fantasma com as luzes acesas e sorridentes personagens da Disney acenando em cada curva? Para que serve um casamento sem ciúme, sem cobrança, sem passivo-agressividade, sem calcinha pendurada no box, sem o protocolar sexo conjugal das sextas-feiras, sem mensagens apagadas no celular?

Quem tirou o espinho do pequi roubou sua alma, sua razão de ser.

O que virá a seguir? A melancia sem semente? O abacaxi com casca de mexerica? A mini jaca de odor agradável? A tiririca fácil de arrancar?

Gente, esse pessoal da Emater está brincando de Deus, está extrapolando. Sua missão era criar milho híbrido e espécies resistentes a pragas. Pronto. Melhorar a produtividade, e só. Não era fazer reengenharia da natureza, retrofite no reino vegetal, criar monstros.

O pequi sem caroço arruína a educação infantil em grande parte do país.

Só há crianças obedientes em Goiás e no norte de Minas porque um dia ousaram não dar ouvidos à mãe, que disse, ao primeiro pequi: “Não morde que tem espinho”. E morderam. E sentiram na alma o poder da ira divina, e estiveram diante daquele olhar que iguala todas as mães, o do “Eu avisei, não avisei?”.

Sem o pequi, seríamos uma horda de vândalos, cravando os dentes em tudo que passasse pela frente, sem distinguir o Bem do Mal, o inócuo do letal, o que pode pôr na boca e o pequi.

O pequi é pedagógico. É um ritual de passagem. Está para a espécie humana como o primeiro voo está para as aves, a primeira caçada para um crocodilo, a primeira mentira para alguém de esquerda. Algo se quebra ali. Algo é revelado. O ser – seja periquito, predador ou petista – entra em contato com sua essência.  Seus poderes e seus limites. Ao morder de leve, só tangenciando os dentes na polpa (“Bom menino!”) ou cravar os dentes (“Eu não avisei?”), o ser humano sela sua sorte e encontra sua bússola moral.

O que tem de bom na invenção desse pequi transgênico e bobo é que, finalmente, as pessoas vão parar de dizer coisas absurdas, como “o espinho do pequi”.  O espinho “é” o pequi. Aqueles dois milímetros amarelos que circundam o gigantesco núcleo espinhoso são uma camuflagem, uma isca.

Temo pelas novas gerações que terão que aprender a obedecer à mãe e à avó através de métodos menos efetivos que o “Não morde que tem espinho”. Vão morder. Não vai ter espinho. Nunca mais vão mais acreditar em nada que as matriarcas – repositório de todo o saber da espécie – digam. Serão uns bárbaros, uns celerados, uns descrentes na sabedoria dos mais velhos. Vão ser todos de esquerda, porque não vão levar a sério quando a avó contar, à beira do fogão, que o socialismo nunca deu certo. Afinal, ela disse também para não morder o pequi, eles morderam e não aconteceu nada.

O petista infiltrado na Emater (só pode ter sido um petista) terá conseguido o que Gramsci tentou em vão através dos livros: destruir a civilização ocidental.

Era o pequi que nos fazia respeitar os conselhos dos nossos ancestrais, e temer o castigo divino.

Guardem esta data:  8 de fevereiro de 2020.  O dia em que milhares de anos de processo civilizatório foram por água abaixo. E, como no caso das duplas sertanejas, o epicentro dessa catástrofe terá sido Goiás. Se alastrando rapidamente pelo norte de Minas, pegando parte de São Paulo, Tocantins, Bahia, Ceará.

Quem diria que o anticristo era um pesquisador da Emater…

 

 

O batizado do vírus

Virus

O coronavírus vai ganhar um novo nome.

“Um grupo de cientistas vem lutando a portas fechadas para encontrar um termo adequado.” (G1, ontem)

Eu jurava que um grupo de cientistas vinha lutando a portas fechadas para encontrar uma cura adequada. Mas os cientistas procuram é um nome.

O que há num nome? –  perguntou, premonitoriamente, Shakespeare. Teria o coronavírus a mesma letalidade com outro nome?

Aparentemente, sim.

“O perigo quando você não tem um nome oficial é que as pessoas comecem a usar termos como ‘vírus da China’, e isso pode criar uma discriminação contra certas populações.”

O próprio corona cria, como se sabe, discriminação contra uma marca de cerveja.

“Vimos que certos nomes de doenças provocam uma reação contra membros de comunidades religiosas ou étnicas específicas, criam barreiras injustificadas para viagens, comércio e provocam o abate desnecessário de animais para alimentação.”

Tirando a ambiguidade do “abate desnecessário de animais para alimentação” (se fossem de animais para decoração o abate seria necessário?), a coisa faz sentido.

Durante a gripe suína, o Egito mandou matar todos os porcos do país – mesmo que o porco, coitado, não transmitisse a doença. Imagine se o nome da gripe fosse gripe de bigode…

A gripe espanhola foi um desastre. Não só porque tenha provocado a morte de entre 50 e 100 milhões de pessoas, mas por ter estigmatizado a Espanha, os espanhóis e, em especial, as espanholas (além da prática da “espanhola”, modalidade sexual que não vem ao caso).

Mesma coisa com a febre amarela, que fomenta ainda hoje o preconceito contra os orientais, os silvícolas, os mínions e a família Simpson.

Ou a peste negra, que em 1351 já tinha dizimado 25 milhões de pessoas (um terço da população europeia na época), e que, graças a esse nome, provoca racismo no Brasil em 2020 – juntamente com a lista negra, as nuvens negras, o passado negro e a caixa preta dos aviões (se duvidar desta informação, os movimentos sociais deverão ser consultados).

Sem falar do mal da vaca louca, que gerou tantos trocadilhos infames, ou do próprio câncer, que não é vírus, mas estigmatiza os nascidos entre 21 de junho e 22 de julho.

Recentemente houve o Sars e o H1N1. Nomes fracos. O primeiro, porque praticamente nos obriga a usar sotaque paulista (não dá pra falar Sarrrrrrs em carioquês). O segundo, porque parece que estamos jogando batalha naval.

O nome oficial do corona, por enquanto, é 2019-nCoV. Muito ruim. É, inclusive, pior que o próprio vírus. Quem deu esse nome faltou à aula de name branding.

É preciso um nome eficiente, laico, politicamente correto e pronunciável no mundo todo.

Logo, não pode ser masculino (reforça o patriarcado), feminino (denota a misoginia estrutural da sociedade científica) nem neutro (é transfobia).  Não pode ser algo ilusoriamente fofinho, como Ebola, nem que pareça uma tradição do folclore nordestino, tipo Chicungunha. Tem que ser algo assim como… como…

Algo me diz que construir um hospital em 10 dias e descobrir a cura vai ser mais fácil que encontrar o nome.