Partiu exit

exit

O Reino Unido parece chocado com o Megxit, a saída da duquesa de Sussex, Meghan Markle, da Casa Real. E levando a reboque o marido, que acumula as funções de neto da rainha, filho do provável futuro rei (se a rainha, eventualmente, resolver vir a falecer algum dia), irmão do rei seguinte e tio do reizinho que virá a seguir.

O casal ex-real quer partir para novos desafios, adquirir independência financeira e levar uma vida de gente normal, do tipo que compra a crediário, cerze meia e aproveita o aniversário do Guanabara para abastecer a despensa.

Já pensou se a moda pega, e temos aqui no Brasil o Flavioxit, o Duduxit e o Carluxexit?

No Flavioxit, o moço assume o mandato de senador e, nas horas vagas, vai vender chocolate. Arruma um partido (atualmente, não tem nenhum), arruma um bom advogado (atualmente, precisa muito de um) e resolve a relação com o Queiroz.

No Duduxit, o moço assume o mandato de deputado, abre uma hamburgueria numa academia de tiro (ou uma academia de tiro com hamburgueria anexa) e usa o próprio exemplo de superação de trauma (imagina perder a chance de fazer selfie no Salão Oval com o dedo no botão que dispara mísseis!) para dar uma moral no consultório de côutchim da patroa.

O Carluxexit seria mais complicado, porque cortar o cordão umbilical pode demandar anestesia. Mas o moço assumiria o mandato de vereador (é preciso passar o endereço da Câmara para ele, e ter alguém de receptivo na porta, com o nome dele numa plaquinha e um mapa do gabinete, para ele não se perder). Com o primo, pode abrir uma agência de viagens ou de relações públicas, usando sua expertise em redes sociais.

O PT deve sonhar com o Janjexit, e a nova senhora Lula da Silva deixando de controlar a agenda do namorado.

O PC do B comemoraria o foicexit, ensaiado no Movimento 65 (campanha de filiação ao partido sem mencionar que o partido é comunista e com a foice longe das vistas dos incautos).

O PODEMOS lidará super bem com o Felicianexit. O PSL, com o todomundexit. A Globo, com o Gagliassexit. A primeira divisão, com o Cruzeirexit.

As duplas sertanejas poderiam aderir ao segundavozexit. As gravações ficariam exatamente iguais e ninguém precisaria dividir o cachê. O problema é a segunda voz partir para a carreira solo, o que dobraria o número de artistas sertanejos. Melhor não.

O Gentilli e o Fachel só teriam a ganhar com o canecaexit, tirando da mesa aquela caneca inútil que só serve para lembrar que estão imitando tolquixôus americanos.

E o Rio, com o Crivelexit – se bem que se o prefeito deixar suas funções é capaz de ninguém notar a diferença.

Tatu

tatu

Lu resolveu que precisava fazer uma nova tatuagem.

Já tinha um alienígena, uma rosa, uma frase feminista, quatro ideogramas, grafismos maoris e celtas, um leão (seu signo), uma medusa subindo pelo pescoço, uma fênix, uma coluna vertebral em 3D ao longo da coluna (nascendo em cima da palavra “like” de “A woman without a man is like a fish without a bicycle”, em letras góticas) e uma orquídea.

Tinha também um código de barras no antebraço esquerdo, a língua dos Rolling Stones na lateral do seio, uma alcachofra no ombro, uma mão de Fátima no dorso da mão, uma flor de lótus no dorso da outra, dentes de leão logo abaixo da axila, uma coruja na panturrilha (era para ser na omoplata, mas ali, além do leão, já havia uma carpa, um unicórnio, uma Betty Boop, um Om e uma inscrição em árabe – que o moço que vendia esfirra artesanal traduziu como “Imóvel à venda, tratar com Jamile na loja de ferragens”, mas preferiu não contar).

Num dos pulsos, tinha um zíper; no outro, um cacto, uma borboleta, um filtro dos sonhos e um bando da andorinhas. Nas pernas, um arco íris, um yin e um yang, um revólver atirando flores, uma Jéssica Rabbit, uma rosa dos ventos, uma equação de segundo grau, um jogo da velha e um Coringa (o do baralho).

E agora precisava (precisava muito!) fazer um Chapolin Colorado, mas… não encontrava mais lugar.

Na virilha, havia cerejas (lembra da orquídea? ficava de um lado e as cerejas do outro – e, quando a depilação estava em dia, era possível ver com mais clareza um escorpião, que era seu ascendente, e uma lua em Capricórnio).

Talvez pudesse fazer o Chapolin entre o elefante, o dragão, o número 7 e a salamandra, que ocupavam as costelas de um lado (do outro, estavam um sapo, uma smurfete, uma jangada feita por um argentino em Jericoacoara – com um símbolo esotérico ancestral na vela, que Lu depois descobriu ser o escudo do River Plate -, uma estrela cadente, uma terra plana, um colibri, uma calculadora Cassio – com 3,1614 no visor -, uma libélula e um pentagrama).

Logo abaixo das nádegas, vinham um girassol, um gato, duas mandalas, uma âncora, Naruto, Pinóquio, e=mc2, um parafuso, uma cornucópia, e XIIIII/VIIII/IIMMIIII (data da primeira menstruação, supostamente em algarismos romanos, feita por uma tatuadora holandesa em São Tomé das Letras).

Resumindo – não cabia mais nada – porque numa nádega havia uma baleia jubarte com o filhote e, na outra, Alice com o Chapeleiro Maluco e uma barra de Toblerone.

Mas como ficar sem o Chapolin?  Num dos seios, tatuara um vulcão (o mamilo era a cratera, de onde a lava escorria até perto do ferro elétrico e a tábua de passar, homenagens à sua mãe). O outro seio era coberto por uma teia de aranha, sendo a aréola o abdome da caranguejeira, em alto relevo. Do umbigo subiam delicadas volutas verdes até encontrar as frases “Carpe diem”, “Accept your destination” e algo em sânscrito, que o moço que vende esfirra artesanal não conseguiu traduzir, mas que o tatuador peruano de Morro de São Paulo afirmou ser “Amar, pode dar certo” – assim mesmo, com vírgula e tudo.

Lu postou seu desespero no insta. De joelhos (num deles havia uma fada e um manete da Nintendo; no outro, um dálmata, um apontador de lápis e uma Frida) ela perguntava como ia viver sem o Chapolin Colorado, já que a mãe a proibira de tatuar o rosto (só mesmo o olho egípcio nas pálpebras, e olhe lá).  Alguém sugeriu pedir emprestado espaço na pele de outra pessoa, mediante pagamento. Apareceu um rapaz que ainda tinha cerca de 5 cm2 disponíveis na nuca e morava em Senador Firmino, MG. Não era a localização ideal, mas ele se comprometeu a passar máquina zero uma vez por mês e mandar uma foto para comprovar que o Chapolin continuava bem visível.

Lu e o namorado sentiram que havia ali um filão e criaram o Tattoober, que agencia pele extra para quem já não tem mais espaço no próprio corpo. Você diz que tatuagem quer fazer e as pessoas dizem que partes do corpo ainda têm disponíveis. Se der match, é só pagar a taxa e chamar o tatuador (a fatura cai no cartão do tatuado virtual).

Além do Chapolin em Senador Firmino, MG, Lu tem um teletubie roxo num ombro em Camaçari, BA, e uma tribal marajoara numa panturrilha em Zamboanga, nas Filipinas.

Para evitar que alguém venda tatuagem e aplique henna, a Tattoober exige que o procedimento seja transmitido onlaine, enquanto o tatuado remoto recebe agulhadas sem tinta, só para criar um vínculo álgico (também conhecido como “aquela deliciosa dor desgraçada”) com o desenho que irá circular em outra parte do corpo, em outra parte do mundo.

Hoje, Lu acordou precisando muito (muito!) tatuar um louva-a-deus ou um filtro de linha – não definiu ainda. Viu que há um cóccix disponível em Paragominas, PA, e uma parte de trás da coxa em Cochabamba, na Bolívia. No Rio, o cm2 de pele virgem está uma fortuna, e mesmo assim só se encontra em freiras na clausura do Convento de Santa Teresa e numa comunidade neopentecostal de Brás de Pina.  Mas de que adianta uma tatuagem que ninguém vai ver, a não ser numa eventual autópsia?

Lu e Beto, o namorado, têm estudado formas de fazer tatuagens internas, por meio de videolaparoscopia. A Anvisa ainda não foi consultada, mas já há lista de espera para quem quer uma sereia no fígado, um coração flechado no pericárdio (olha que fofo!) e uma caveira mexicana no interior do crânio.

Mas esta semana uma digital influencer belga chocou a internet e foi parar nos trend topics ao tatuar 100% da superfície corporal no tom da sua pele original. Suas aparições em público sem nenhum rabisco têm provocado uma onda mundial de pasmo e indignação. Especialistas se dividem entre tratar-se de um caso de exibicionismo crônico ou de incapacidade de expressar os próprios sentimentos.

O julgamento da desgaratujofobia deve entrar na pauta do STF em 2020. A Ministra Rosa Weber já prepara um voto em que fala das pintura rupestres, dos petroglifos de Nazca, dos corações em casca de árvore, dos queloides, das assinaturas no gesso do braço quebrado, passando pelos bois marcados a ferro quente, o chicle de bola Ploc, a hermenêutica teratológica e os carimbos usados nas boates para indicar quem já pagou.

Lu nem dormiu esta noite pensando em tatuar a íntegra do voto. Mas para isso precisa da população da China, da Índia, da Indonésia, do Paquistão e da Nigéria, além de quem acha que o Papa deva ser enquadrado na Lei Maria da Penha por espancar aquela fiel na Praça de São Pedro. E, ainda tem que fazer um ajuste no Chapolin Colorado, que saiu com M, não com N.

Preparando o terreno para a terraplanagem

terra plana

O terraplanismo, quando comprovado, implicará muito mais mudanças do que se imagina. É bom a gente já ir se preparando.

Expressões consagradas, como “o mundo dá voltas”, terão que ser abolidas: o mundo não dá voltas. Ele fica parado. Teremos que arrumar outra metáfora para as voltas que o mundo dá.

“O mundo gira e a Lusitana roda” também terá que ser trocado – talvez por “O mundo fica estático, mas a Lusitana eppur si muove”, ou algo assim.

Estar redondamente enganado passará a ser estar certo. Errado pra valer será quem estiver planamente enganado.

As imagens de Nossa Senhora ficarão mais seguras pisando numa superfície horizontal, em vez de se equilibrar em cima de um globo.

Os japoneses não serão mais nossos antípodas, porque estaremos todos do mesmo lado do planeta – o único lado, por sinal.

Livros serão reescritos. “Viagem ao centro da Terra”, do Júlio Verne, será lobatizado: Axel, Hans e o professor Otto viajarão até “um pouco abaixo da superfície da Terra”, e olhe lá. Se avançarem mais, caem no vácuo.

As novas edições de “Mensagem”, do Fernando Pessoa trarão “E viu-se a Terra inteira, de repente / surgir, plana, do azul profundo”. Perde-se em métrica, mas ganha-se em rigor científico.

A Rede Globo mudará o nome fantasia para Rede Plana. Atores planais darão declarações ao jornal O Plano contra a planalização e o aquecimento planal.

Empresas de terraplanagem irão à falência, porque seus serviços não serão mais necessários.

Haverá demissões em massa na NASA, enfim desmascarada. Em compensação, os estúdios Disney poderão contratar excelentes profissionais de computação gráfica e efeitos especiais. Sem contar que o desemprego vai cair, porque hão de surgir vagas para vigia da borda (aquele pessoal que fica no topo das geleiras, não deixando ninguém se aproximar) e para equipe de manutenção do domo (alguém tem que tirar o mofo que, com certeza, dá nesta estufa, bem como lubrificar as roldanas que fazem girar o sol e a lua).

Acabará essa lorota de fuso horário. Não haverá mais aquele privilégio de “Já é 2020 na Austrália” enquanto aqui a gente ainda tá procurando a cueca vermelha que vai usar no reveiôn. Com a Terra plana, 2020 chega junto pra todo mundo.

Não vai haver mais jetilegue, essa frescura de gente rica que chega do exterior reclamando (de barriga cheia e mala abarrotada de tralha de frixope) que está “com o relógio biológico atrasado / adiantado”. Se a Terra é plana, não dá pra ser dia num lugar e noite em outro, nem sair às 6, viajar 8 horas e chegar às 7. Vamos ter que aprender aritmética, talquêi?

E a melhor parte é que nas próximas eleições o TSE não terá mais a desculpa esfarrapada de esperar encerrar a votação no Acre para começar a contar os votos. Quando derem seis da tarde aqui, também serão seis da tarde lá. Aí para tudo e seja o que Deus quiser.

Aval intelectual

Livros

Meu próximo passo é ter um canal no iutube. Ou pelo menos postar umas laives.
 
Sobre o quê? Faço a menor ideia. O importante é que tenha uma estante ao fundo.
 
Estante ao fundo dá um ar acadêmico, agrega estofo intelectual. Cada volume ali no segundo plano é um viés de confirmação encadernado.
 
Sem contar que duvido que seja só eu que fique tentando ver o que está escrito nas lombadas e nem preste muita atenção ao que é dito, embasbacado com todo aquele bequigráunde cultural. Afinal, é pra isso que serve a estante ao fundo, não?
 
“Será que ele leu aquilo tudo?”. Claro que não. Ninguém leu todos os livros que tem na estante. Mas por que alguém teria aquele tanto de livro em casa? Porque a gente compra livro por impulso. Porque ganha livro de quem acha que a gente lê muito. Porque a gente pega emprestado e não devolve. E para fazer figuração numa laive.
 
Breve, as livrarias – que já têm seções de clássicos, autoajuda e de livros com palavrão no título – terão também um espaço reservado a títulos escolhidos a dedo para fundo de laive.
 
– Boa tarde, vou fazer uma laive sobre neoliberalismo quântico. O que você tem nessa área?
– Pró ou contra?
– Se falei “neoliberalismo” é porque é contra, né?
– Desculpe, é que essa sua barba feita me deixou em dúvida. Este último lançamento do Jessé Souza tem tido muita saída. Capa dura, cores firmes que garantem boa definição mesmo em laives feitas com celular de segunda linha.
– Queria algo mais disruptivo, entende?
– Contemporâneo, disruptivo e com lombada de cores que valorizam uma laive progressista nós temos o Felipe Neto. Vai bem com estantes de madeira escura, pintada de branco ou até aquelas de sebo, de chapa de ferro.
– Me vê um Felipe verde limão, um azul piscina, um rosa choque e, vá lá, um Jessé daqueles magentas ali.
 
~
 
Antigamente, a gente tirava foto fazendo pose ao telefone – lembra disso? Nas fotos feitas na sala de visitas, dava-se um jeito que aparecessem o cinzeiro de cristal na mesinha de centro, a estante com a Barsa ao fundo e, ao lado, a mesinha do telefone, com o dito cujo.
 
Foram-se o cinzeiro, a Barsa, a mesinha de telefone, o telefone. Resistindo bravamente ao kindle, ficou a estante.
 
A laive na frente da estante dando a entender que a gente lê muito é o novo retrato fingindo que fala ao telefone.
 
Uma estante cromática e ideologicamente equilibrada é tendência para 2020. Clássicos, sim, mas quando a falsa erudição é demais até o seguidor de laive desconfia. Aquelas coleções imensas, que ninguém nunca nem abriu, encadernadas em verde, com letra dourada, pode esquecer.
 
É de bom tom que os livros estejam arrumados, pero no mucho. A estante deve dar a impressão de que os volumes já foram consultados um dia. Cai bem um objeto de decoração, desses cuja procedência estrangeira seja claramente identificada. Um e outro livro na horizontal, displicentemente pousado sobre os demais – lembrando, sub-repticiamente, que é tanto livro que nem cabe mais em pé.
 
Já deve haver até personal-estanters, encarregados de customizar estantes para laives.
 
– Olha, Orwell e Clarice nunca saem de moda. Ficam bem tanto numa laive densa, daquelas com iluminação cênica, rosto meio na penumbra, quanto numa informal, de luz chapada, para fofoca de celebridade.
– Eu queria um casual chique, que valorizasse o Q.I. mas com pegada.
– É bom ter sempre um russo para agregar valor, um desses portugueses que insistem em escrever como antigamente – mas têm capas lindas -, um autor étnico para garantir a diversidade, um desconhecido que ganhou o Nobel e só por isso foi editado no Brasil, um da Rita Lobo – que dá leveza e gera empatia imediata – e pelo menos um dicionário de qualquer coisa.
– Que tal algum da lista dos mais vendidos, pra mostrar que sou antenado?
– A menos que seja uma laive sobre terraplanismo ou tutorial de bronzeador caseiro, jamais deixe um bestisséler à vista. E lembre-se: lombadas em tons de azul enfatizam a assertividade, em tons de laranja levantam o astral. Lombadas verdes, amarelas e vermelhas, só em casos específicos – e nunca misturadas.
 
Para não ficar monótono – e caso não se disponha de livro suficiente para três prateleiras -, pode-se fazer laives em livrarias e bibliotecas. Normalmente não estão muito cheias e têm livro à beça.
 
O problema de ir a bibliotecas ou livrarias é quererem te empurrar algum.
 
– Não quer pegar um Bagno, um Safatle, emprestado? Devolve quando puder, sem multa…
– Não, obrigado.
– Um Olavo, então? Temos vários Olavos. Pegando um Olavo emprestado, leva 3 Sinottis que nem precisa devolver.
– Não, não…
– Olha, temos esse combo: Karnal, Cortella e Pondé. Três em um. Ou um em três, tanto faz. Pode fazer testidraive, sem compromisso.
– Olha, eu só queria mesmo fazer uma laive com um fundo culte, entende?
– Ok, você venceu. Temos uma promoção imperdível: levando dois Marilena Chauí, vai de brinde a coleção completa da Márcia Tiburi, inteiramente grátis. Com papel de presente, cartãozinho, caneca customizada e Uber por nossa conta.
 
~
 
Uma opção é comprar papel de parede imitando estante. Sim, existe. Nem precisa forrar a parede toda. Um m2 basta. É só tomar cuidado para não aplicar no sentido errado. E nem precisa usar óculos. O charme de intelectual está garantido.

O sol nasceu pra todos

perineo 2

Eu podia estar escrevendo sobre rânquim do Pisa, que colocou o Brasil abaixo da Moldávia, da Jordânia, da Romênia e da Bielorrússia – mas, ainda assim, acima do Cazaquistão, da Albânia e – certamente – do Haiti, do Sudão do Sul e da Guiné Equatorial.

Podia falar que só resta ao Cruzeiro, depois da derrota para o Vasco (e para o CSA!), cortar três zeros e mudar o nome para Cruzado.

Podia conjecturar sobre que cargo irão ocupar no governo a Inês Brasil, o Inri Cristo, o ET Bilu e o Menino do Acre.

Mas o assunto que não quer calar é o bronzeamento do períneo.

Se o sol nasceu para todos, por que não para o períneo?

O períneo é uma daquelas regiões que pareciam fadadas a viver nas sombras. Uma espécie de eminência parda da anatomia. Um Uruguai, com inúmeros atrativos, mas espremido entre dois vizinhos muito mais poderosos.

A etimologia dá uma pista: o prefixo de περίνεος (períneos, para quem, como eu, não entende lhufas de grego), é o mesmo de periferia, peripécia, período, perímetro, periscópio. “Peri” = O que está à volta, ao redor, em torno de.

O períneo nasceu para vice. Para papagaio de pirata. Nem chega a coadjuvante: é só figuração.

Sabe aquela moça que passa lá atrás, em segundo plano, de sombrinha, nas novelas de época? Pois é, ela é o períneo da cena. Sem ela, a coisa ficaria meio falsa. Não é preciso haver uma rua de verdade, com gente de verdade passando, cada um protagonista da sua própria existência. Daria muito trabalho. Basta, para conferir certa credibilidade, uma moça anônima andando sem rumo, de sombrinha, indo do nada a lugar nenhum para fazer coisa nenhuma. A diferença é que, no corpo humano, essa moça de sombrinha tem nome: chama-se períneo.

E por que tomar sol no períneo?

Porque já esgotamos todas as outras possibilidades. Já inventamos o creme para cotovelo. A barba desenhada. A cirurgia para fazer covinha no rosto. A prótese de silicone para panturrilha. A depilação em forma de bigodinho nazista. O papel higiênico com sabor pêssego. E o períneo lá, feito um dois de paus, fazendo cara de paisagem.

Já houve uma peça chamada “Monólogos da vagina” e uma entrevista da Marcia Tiburi sobre o cu ser laico. E o períneo ali, calado, esperando a deixa que não vinha. Na boca do gol esperando o passe. Quase um Príncipe Charles, há 70 anos com o pé na embreagem esperando o sinal abrir para engatar a primeira. E nada.

Imagino que tenha havido uma reunião de pauta numa dessas empresas que detectam tendências e turbinam a internet, e depois de um chequiliste completo viram que não faltava problematizar mais nada no corpo humano.

– Baço já foi tendência?
– Já. No outono de 1987.
– O mesentério?
– Verão de 1941.
– As amídalas?
– Da década de 70, quando ainda nem se chamavam tonsilas.
– As trompas de falópio?
– Essas passaram por um branding e agora são tubas uterinas.
– Então acabou. Até o complexo de golgi já foi pauta. Vamos ter que dispensar todo mundo e mudar de ramo.
– Não péra! Como é que chama aquela parte ali entre o… o… e a… a..
– Onde, Aparecida?
– Lá.
– Desembucha, Aparecida.
– Lá, gente. Naquele São Conrado genital, entre o Leblon e a Barra…
– Aquilo tem nome?
– Acho que tem. É alguma coisa tipo pericarpo, peritônio, periodontista, perinatal…
– Períneo!
– Isso! Vamos jogar alguma luz ali?

E foi assim.

~

Disclêimer:
1. Esta é uma obra de ficção;
2. Contém ironia;
3. Não há qualquer intenção de ofender os súditos de Sua Majestade ou, mais especificamente, seu herdeiro ao trono;
4. Jamais me ocorreu magoar nenhum país vizinho com referências depreciativas à sua localização geográfica;
5. Os estudantes cazaques, albaneses, haitianos, sudaneses do sul ou guineenses equatoriais merecem todo o nosso respeito;
6. Esperamos que nenhum torcedor do valoroso CSA se sinta ultrajado;
7. O Cruzado foi uma moeda legítima como qualquer outra, em nada inferior ao Cruzeiro ou ao Conto de Réis (que será o nome do time quando cairmos para a terceira divisão);
8. Inês Brasil é uma artista talentosa, não compactuamos com nenhum tipo de intolerância religiosa ao inricristianismo, extraterrestrial lives matter, e eu tenho o maior xodó pelo Acre;
9. A categoria profissional dos figurantes tem papel fundamental na dramaturgia, e jamais poderá ser considerada mera coadjuvante;
10. Desenhar a barba é uma opção estética lícita e a diagramação do púbis é uma decisão de foro íntimo;
11. Papagaios são animais silvestres e não devem ser retirados no seu habitat para viver em gaiolas ou no ombro de bucaneiros;
12. Empresas de trêndim e brêndim, assim como as de côutchim, fazem parte da economia criativa, geram empregos, pagam impostos e não devem ser alvo de pilhérias;
13. São Conrado é um bairro nobre e paga um dos mais altos IPTUs do Rio, sendo injusta qualquer ilação sobre ser apenas um lugar de passagem;
14. Em nenhum momento me ocorreu insinuar que a Barra da Tijuca – que, inclusive, é meu lar – seja o orifício anal do Rio de Janeiro.
15. Nenhuma Aparecida sofreu maus tratos na redação deste texto.

(Ufa, acho que já me defendi de todas as possíveis acusações. A menos que algum barista grego com complexo de golgi apareça – mas acho que as chances de isso acontecer são remotas).

Criado mudo

pisando em ovos

Um dos problemas do Brasil é a piada pronta.

A gente tenta fazer graça com alguns absurdos, mas aí vem a realidade e pá! mostra que não há ironia, sarcasmo ou deboche que chegue aos seus pés.

Uma empresa vai tirar de linha o ‘criado mudo’, porque a expressão é racista.

Racista?

Os criados são uma raça? Há uma raça de mudos?

Aquele móvel onde você guarda remédios, lenços de papel, bombinha de asma, título de eleitor, cópia da chave do carro, e que serve de apoio para livros e luminária, alguma vez te lembrou um escravo calado, a noite inteira de pé ao lado da cama?

Bora rebatizar os móveis e acessórios opressores e perpetuadores de discriminação!

‘Olho mágico’ tem um quê de alucinógeno, não tem? Será preconceito contra usuários de substâncias ilícitas?

Por que essa falta de mobilidade social que prende a ‘mesinha de centro’ ao centro e a ‘mesinha de canto’ ao canto? Abaixo o comodocentrismo das mesinhas de centro! Liberdade para as mesinhas de canto assumirem o protagonismo!

Diga ‘não’ ao trabalho análogo à escravidão. Se o nome é ‘pano de prato’, ele deve receber hora extra quando for usado para enxugar talheres e panelas – e adicional de insalubridade quando, na falta de luvas, pegar caçarolas quentes no fogão. Que as lojas de artigos de cama e mesa mudem os nomes para ‘pano de garfo’, ‘pano de faca’, ‘pano de frigideira’ etc.

O mesmo vale para quem usa colher de sopa para medir açúcar, colher de chá para colocar pó de café no coador, forma de bolo para fazer pudim, tábua de carne para picar cebola…

Quer coisa mais estadocivilnormativa que ‘cama de solteiro’ e ‘cama de casal’. Não é cama que define o estado civil de ninguém. E como é que ficam os poliafetivos, os menagers, os suínguers, sendo o tempo todo lembrados que aquele móvel foi feito para um casal, não para práticas sexuais alternativas?

Também precisamos repensar o gênero quando se trata de sofá-cama. Porque ‘o’ sofá-cama, não ‘a’ sofá-cama? Sofá-cama é genderfluid – ora sofá, ora cama – portanto, nenhum gênero o/a define.

E a bicama? Por que expor assim a orientação sexual de um móvel? Se ela é bi, isso é questão de foro íntimo.

Desde quando sapato e mala são roupas? E onde é que a gente guarda? Na parte de baixo e lá na prateleira de cima do guarda-roupa. O nome ‘guarda roupa’ é discriminatório e não inclusivo. Doravante, refira-se a ele como ‘guarda lenço bolsa toalha sapato mala cinto e roupa’ (se preferir, use a sigla GLBTSMCR).

Como alguém pode, em sã consciência, almoçar na mesa de jantar?

Lavar pano (de prato, de talher, de panela, de chão) na lava-roupas?

Usar a escrivaninha para desenhar?

Meu ferro elétrico é quase todo de plástico, mas o plástico não tem representatividade – só o ferro. Pode isso?

É justo impedir a luminária de pé de se sentar? Chamar de corredor um lugar por onde a gente normalmente anda em baixa velocidade? Usar o computador para tudo, menos para computar? Apenas relaxar na espreguiçadeira? Fazer o número dois no urinol?

E, já que o criado-mudo é racista, o que dizer do machismo explícito de a cama king size ser maior que a queen?

 

 

 

Faxina linguística

PC

Há movimentos para tirar de circulação termos e expressões ofensivos a minorias.

É uma questão de civilidade.

“Fazer baianada”, “serviço de preto”, “coisa de mulherzinha”, “programa de índio” não vão fazer falta nem deixar saudades.

Por outro lado, há os exageros. Coisa de gente que perdeu a mão (e não vai aí nenhuma hostilidade aos amputados), o foco (não, não vejo com maus olhos os portadores de presbiopia, astigmatismo, catarata), o rumo (longe de mim querer alcançar as vítimas de desorientação amnéstica), o eixo (sem inclinação desfavorável aos que sofrem de labirintite).

“Caixa preta”, “sorriso amarelo” e “entrar no vermelho” não têm conotação racial. Mas, no ritmo em que as coisas vão (e continuam indo!), não será surpresa se a lista de expressões que devemos banir do idioma para torná-lo mais inclusivo incluir:

– Terça-feira gorda
> Ofende os dias da semana não adiposamente privilegiados;

– Apressado come cru.
> Busca ridicularizar os adeptos da dieta crudívora.

– A carne é fraca.
> Busca favorecer, sub-repticiamente, a dieta vegetariana.

– Gordura trans
> Associa os pluçaize e as pessoas cuja identidade de gênero difere daquela designada no nascimento a algo prejudicial à saúde;

– Quem vê cara não vê coração.
> Privilegia os cirurgiões cardiovasculares em detrimento dos cirurgiões plásticos.

– Tempos de vacas magras:
> Ofende as anoréxicas, correlacionando magreza e miséria;

– O trem tá feio:
> Insulta o já combalido sistema de transporte ferroviário e, simultaneamente, os indivíduos (mineiros ou não) em desconformidade com os padrões estéticos da sociedade

– Alto lá!
> Estigmatiza os esbeltamente avantajados;

– O que vem de baixo não me atinge.
> Ultraja os de estatura comprimida;

– Pimenta nos olhos dos outros é refresco
> Perpetua estereótipos contra as pimentas, ignorando o grupo minoritário das pimentas biquinho, que não ardem;

– Deus escreve certo por linhas tortas
> Fomenta a opressão gramatico-teísta em relação às pessoas diferentemente dotadas de destreza manual;

– Um dia é da caça, outro é do caçador
> Ignora a pesca, fonte de subsistência das populações ribeirinhas;

– Uma andorinha só não faz verão
> Discrimina os celibatários (voluntários e involuntários), os nerdes e os sologâmicos;

– Não julgue o livro pela capa
> Institucionaliza o menosprezo aos designers gráficos, cuja profissão sequer é reconhecida;

– É dando que se recebe
> Estimula práticas sexuais não ortodoxas entre parceiros do mesmo sexo, vinculando a entrega física a posterior recompensa;

– Cada cabeça, uma sentença
> Deprecia o STF.

– Roupa suja se lava em casa
> Propaga subliminarmente o boicote ao empreendedorismo na área das lavanderias;

– Quem com ferro fere, com ferro será ferido.
> Nega a teoria de que racismo reverso não seja racismo.

– Quem tem boca vai a Roma
> Faz apologia do tráfico de drogas, insinuando que traficantes sejam bem sucedidos, o que lhes permite viajar ao exterior;

– Preto emagrece.
> Essa não precisa nem comentar, precisa?