Herói da resistência

ferro

Houve um tempo em que telefone telefonava e máquina fotográfica fotografava.

As coisas eram unívocas, com jurisdições demarcadas, como que regidas por uma religião.

Em algum momento algo se rompeu, e telefones começaram a fazer contas, mandar cartas, tocar música, tirar fotos.

Por que o telefone, não o ferro elétrico? Jamais saberemos.

O ferro elétrico é de um tempo em que máquina de escrever escrevia, carteiro entregava cartas e computador computava.

Então, como se tivessem surtado, computadores começaram a escrever, enviar e entregar cartas, as máquinas de escrever silenciaram, os carteiros tiraram um peso dos ombros e um pouco da alegria dos cachorros.

Relógios marcavam as horas, não batimentos cardíacos.
Cinemas passavam filmes, não encenações de milagres evangélicos.
Impressoras imprimiam, copiadoras copiavam, aparelhos de fax enviavam fax – hoje, nestes tempos de transgêneros, uma multifuncional dá conta de tudo sozinha.

O micro-ondas já doura e gratina.
O liquidificador, que só liquidificava, mudou o nome para mixer e agora corta, amassa, mistura, processa, rala, pica, bate, tritura, e por pouco não chuleia, caseia e prega botão.

Só o ferro elétrico continua apenas passando roupa.

Ele resiste, solitário, à degeneração dos costumes.

Até os óculos enxergaram que o fim estava próximo, com as lentes descartáveis, e começaram a fotografar, filmar, ensinar o caminho, mandar e-mail.

Em vão.

Os óculos morrerão como morreram o monóculo, o pincenê, o telex, a antena interna, pager, disquete, fita k7, orelhão, ficha de orelhão, lâmpada incandescente, mimeógrafo, bala Soft, goma arábica, revólver de espoleta, anágua, bomba de flit, Emulsão de Scott, cinto de castidade.

Fogões não precisam mais de fogo.
Geladeiras degelam sozinhas.

Quando nada mais for o que era, nos restará o ferro elétrico como prova de fidelidade aos princípios, como exemplo de dedicação exclusiva, de fé inabalável no destino.

Pode soltar vapor pelas ventas, ter dezoito temperaturas, base de teflon, recipiente para amaciante, design aerodinâmico, funcionar com energia solar, não importa.

Não há ideologia de gênero que o faça tirar fotos.
Mandar mensagens de voz.
Pagar contas.
Curtir comentários.

Quando nenhum tecido amarrotar, ou quando roupa amarrotada virar moda, o ferro de passar cairá de pé.

Deixará o mundo pela porta da frente, de cabeça erguida e com a consciência tranquila de jamais ter se rendido.

 

(publicado originalmente em agosto de 2017)

Anúncios

Lenha na fogueira

lenha

O Cristiano Ronaldo protesta contra as queimadas na Amazônia com foto do Rio Grande do Sul, em 2013 (governo Dilma Rousseff). Louis Hamilton curte.

O Jaden Smith (filho do Will Smith) protesta contra as queimadas na Amazônia com foto de 1989 (governo José Sarney). Bruna Marquezine curte.

Emmanuel Macron protesta contra queimadas na Amazônia com foto feita 1989 (governo Sarney) e requenta a lorota de que a região seja o pulmão do planeta (uma lenda urbana muito popular no tempo em que manga com leite ainda matava). Angela Merkel vai na onda.

Maquiadora gaúcha protesta contra queimadas na Amazônia pintando o colo com girafa fugindo do fogo (não sei quem governava o Brasil na época das girafas nativas). O Brasil inteiro compartilha.

Outro tuíte popular diz que a mídia não dá a mínima para a Amazônia porque essa região não fica em Paris (!) e produz oxigênio em vez de wi-fi (!!). O drama é ilustrado com imagens de um coelho chamuscado na Califórnia em 2018 (governo Trump), um animal (macaco?) correndo em Sertãozinho SP em 2011 (governo Dilma Rousseff), um tatu encontrado num canavial em Araras SP em 2018 (governo Temer) e um tamanduá (pelo menos me parece ser um tamanduá) vítima de uma queimada em outro canavial em Presidente Venceslau SP em 2011 (governo Dilma Rousseff).

A Amazônia, a Chapada Diamantina, a Chapada dos Guimarães, Chapada dos Veadeiros, a Serra do Cipó, ardem todos os anos. E nunca houve tantas queimadas quanto nos anos dos governos petistas. A diferença é que nem Lula nem Dilma faziam pouco caso da coisa, ou tinham projetos declarados de exploração predatória da região. Eles faziam cara de paisagem, não batiam boca com o INPE, não desdenhavam do aquecimento global. Apenas deixavam o circo pegar fogo, enquanto faziam seus malabarismos retóricos.

O número de focos de queimadas na Amazônia no primeiro semestre de 2019 é o maior desde 2016 (governos Dilma / Temer). É 35,6% maior que o do mesmo período do ano passado (governo Temer). Mas está apenas ligeiramente da média dos últimos 20 anos (governos FHC, Lula, Dilma e Temer), o que é menos alarmante que os 80% acima do mesmo período do ano passado. (Dados da Agência Lupa).

Bolsonaro não inventou as queimadas, mas suas declarações desastradas (e desastrosas) ajudam a botar lenha nessa fogueira. Afinal, ele é machista, homofóbico e, agora, piromaníaco.

Há todos os motivos para defender a educação – cujo orçamento sofreu cortes tanto no governo Bolsonaro quanto no governo Dilma (uma pesquisazinha rápida no gúgol fornece todos os dados). Motivos não faltam para defender a Amazônia – um ecossistema riquíssimo, ainda que não seja pulmão, fígado ou pâncreas do planeta.  A região sofre com queimadas espontâneas e com queimadas criminosas, principalmente no período da seca (agosto a dezembro).

Como já houve “pela educação”, haverá hoje, em todo o país, protestos “pela preservação da Amazônia” – inclusive da Amazônia gaúcha, das girafas amazônicas, do pulmão do planeta, dos coelhos da Califórnia, do tatu paulista, do tamanduá do canavial e por Lula Livre. Tudo com bandeiras vermelhas (em referência ao fogo, claro) e balões da CUT (para complementar o #prayforamazonia deve ter o #CUTthefire).

Não se espera nenhuma menção à Usina de Belo Monte – de imenso impacto ambiental – concebida no governo Figueiredo, gestada nos governos FHC e Lula e parida pela presidenta Dilma Rousseff. Afinal, o estrago já está feito.

A defesa da Amazônia seria mais eficaz se se baseasse em dados (os da NASA servem, os do Inpe também) e não em feiquenius. Se pressionasse o governo a adotar uma agenda ambiental responsável – que interessa também ao agronegócio. Se não fosse usada como cortina de fumaça para a queda de braço entre os partidários de quem deixou queimar antes e os de quem está se lixando para as queimadas de agora.

Todos devíamos participar desses protestos, para esvaziá-los do seu caráter eleitoral e trazer o foco para as questões que realmente interessam.

Sem querer usurpar o lugar de fala do Macron – e relevando as girafas da floresta tropical e os tatus do canavial – é a nossa casa que está, literalmente, pegando fogo.

Adictos aí anônimos

Entao

(Gilson entra na Sala 1)
– Boa noite, meu nome aí é Gilson.

– Boa noite, Gilson! (em uníssono)

– Eu sou um jornalista aí, adicto aí em advérbio de lugar.

– Desculpe, Gilson, mas este grupo ele não é de jornalistas adictos em advérbio de lugar. Os adictos em advérbio de lugar eles se reúnem às quartas. Hoje é terça e a terça ela é nossa, dos jornalistas adictos em sujeito duplo.

– Mas já que vim aqui aí, não posso ficar aí de ouvinte?

– As coisas elas não funcionam assim, Gilson. Há o risco de o seu vício ele contaminar os que estão se livrando do sujeito duplo. O grupo de adictos em recuperação do gerundismo ele vai estar se reunindo logo em seguida, e esse grupo ele já está bem vazio.

– Mas eu já superei aí o gerundismo. Posso estar tendo aí uma recaída se for lá.

– Bem, amigo, este grupo ele não vai poder te ajudar. A sala ao lado ela tem um grupo funcionando agora. Quem sabe as pessoas que estão lá elas possam te dar uma força.

– Obrigado, vou lá aí então.

 

(Gilson vai para a sala 2)

 

– Boa noite. Meu nome aí é Gilson.

– Então, boa noite, Gilson! (em uníssono).

– Eu sou um jornalista aí, adicto aí em advérbio de lugar.

– Então, Gilson, este é um grupo de jornalistas adictos em começar todas as frases com “então”.

– Mas então eu posso participar aí deste grupo?

– Então, acho que não.

– Mas eu aprendi aí essa palavra ainda criança, e a uso aí desde então…

– Então,  mas você usa “então” como advérbio de tempo e de modo.

– Não posso aí ficar então aí aqui?

– Então, este grupo aqui é só para jornalista que usa “então” sem nenhum motivo, de modo totalmente sem noção.

– Então não é aí o meu caso. Vou procurar aí outra sala.

 

 (Gilson vai para a sala 3)

 

– Boa noite. Meu nome aí é Gilson.

– Boa noite, Gilson.  Você tem aí…

– Ih, desculpe aí, entrei aí numa sala da Globo News de novo.

Sequestrando a narrativa

sequestro

O governador Marcelo Freixo chegou por volta das 9h à Ponte Rio-Niterói, a bordo de um veleiro movido a energia solar – que demorou mais que o previsto porque o dia estava nublado e sem vento. Sua assessoria divulgou que o deslocamento gerou crédito de carbono.

Mais cedo, a Light (agora incorporada à Secretaria de Segurança Pública) havia espalhado postes por toda a Ponte, para evitar novos sequestros.

Agentes se posicionaram em pontos estratégicos com livros de filosofia e história. Como os atiradores de elite foram dispensados no início do governo, seus substitutos, os atiradores das classes marginalizadas, acabaram acionados para a eventualidade de uma ação mais delicada, sendo municiados com teses da UFF sobre ideologia de gênero e surubas em banheiros públicos de supermercados.

Uma ciranda foi organizada em torno do ônibus, com todas, todos e todes de mãos dadas e pés descalços, cantando “Imagine”, abraçando o coletivo e pedindo Lula Livre e soltando pombas brancas.

Uma deputada do PSOL sugeriu que o sequestrador não usasse gasolina, mas etanol, que é mais sustentável, e que os reféns não tivessem as mãos atadas com lacres sintéticos, levam séculos para se degradar e podem poluir os oceanos com microplásticos. Em troca, ofereceu cordas de fibra de cânhamo produzidas artesanalmente numa comunidade da Praça São Salvador.

Numa plenária, realizada na praça do pedágio, os comitês de Cidadania, Historicidade, Horizontalidade de Gestão, Inclusão Trans e Anticanabisfobia deliberou que as ações de resgate, se necessárias, deveriam ser pautadas pelas diretrizes de gênero, etnicidade, empoderamento lésbico (com ênfase na não performação da feminilidade) e participação em ovulários de sororidade e encontros de detox da masculinidade.

Um comitê elaborou uma pesquisa (patrocinada pela Capes) para definição da escala pantone dos cidadãos em situação de ônibus e do marginalizado em situação de máscara e garrafas pet supostamente inflamáveis. Esse estudo permitiria fornecer subsídios à equipe de negociadores para determinação da prioridade daquilo que a extrema imprensa burguesa insistia em chamar de “libertação de reféns”.

Foram feitas propostas de que os veganos deveriam deixar a condição de ônbus para a condição de ponte antes dos demais, gerando intenso debate com os que lembravam que o pagamento da dívida histórica com os afrodescendentes deveria ter precedência. Trabalhadores em situação de informalidade, mulheres oprimidas pelos padrões estéticos da sociedade e pela balança, e minorias sexuais também foram pontuadas, até que o próprio governador lembrou que a verdadeira vítima era o afrodescendente portador de máscara, que se levantara às 5 da manhã, possivelmente sem um desjejum como aquele do Copacabana Palace que ele mesmo havia acabado de tomar.

Foi organizado no vão central um show de solidariedade à vítima da sociedade branca opressora que mantinha o controle do ônibus, com participação de Zélia Duncan, Maria Gadú, Anavitória, Tico Santa Cruz, apresentação de Tatá Werneck e Bruno Gagliasso, e performances das axilas de Bruna Linzmayer, com fundos revertidos para a ONG SVS (Sequestradores Vítimas da Sociedade) e transmissão ao vivo pela GloboNews.

Após 14 horas de negociação, com fornecimento de quentinhas veganas ao sequestrador, entrevistas exclusivas à Mônica Bérgamo e à Carta Capital, os cidadãos reclusos no coletivo se amotinaram, tomaram a chave, deram um cavalo de pau e retornaram a São Gonçalo, sob saraivadas de livros da Márcia Tiburi, Foucault, Boff, Gramsci, Nina Lemos, Althusser, Judith Butler, Bagno, Habermas, Chauí, Sartre e Kéfera.

Um dos líderes do motim a bordo declarou pelo zap que ninguém aguentava mais ouvir o Programa da Fátima Bernardes (no ar das 7 da manhã às 7 da noite na tevê de bordo) e que, por unanimidade, preferiam se jogar no mar. Antes de despencar pela mureta, libertaram o sequestrador – que foi recebido com soquinhos no ar pelo Governador Freixo e convidado a jantar no Fasano.

A direita problematizou a comemoração do governador e achou falta de decoro os soquinhos no ar. Em Nota Oficial, o Palácio Guanabara declarou que a missão foi um sucesso, com o salvamento do sequestrador e que manda condolências à empresa que perdeu um ônibus.

Abuse com moderação

abuso

– Bom dia, cidadão! Eu sou o Super-PL7596/17-Projeto-de-lei-que-dispõe-sobre-os-crimes-de-abuso-de-autoridade, e estou aqui para salvá-lo das autoridades abusivas!

– Obrigado, Super-PL7596/17, você é o meu herói. Seria desabusado da minha parte chamá-lo de Super-Abuso?

– Imagina! Vim para protegê-lo de juízes, promotores, procuradores, agentes policiais e profissionais de segurança pública. Use e abuse!

– Bom saber que alguém pensa em nós, pacatos cidadãos, que já estamos cansados das arbitrariedades dos corruptos e outros criminosos.

– Olha, cidadão, isto está fora do meu escopo. Meus superpoderes são para livrá-lo de eventuais abusos no combate ao crime, não do crime em si.

– Ah, sim. Isso é muito bom. Ninguém quer autoridades abusivas. É que pensei que você viesse me socorrer dos abusos de parlamentares corruptos, de políticos criminosos, que também são autoridades.

– Isso é com os juízes, promotores, procuradores, agentes policiais e profissionais de segurança pública – de quem eu estou te protegendo.

– Eles podem combater o crime; só não podem abusar, certo?

– Certo.

– E quem define o que é abusivo e o que é legal?

– A lei. Eles têm que fazer exatamente o que está na lei. Nem uma vírgula a mais.

– Podem interpretar a lei, pelo menos?

– A lei é lei e ponto. Pão pão, queijo queijo.

– Mas se é assim, não era melhor usar um aplicativo? Não precisava haver juízes, promotores, procuradores…

– Sim, mas sabe como é, né? A lei não é uma ciência exata; tem nuances, agravantes, atenuantes, zonas cinzentas…

– E…

– E se a lei for interpretada contra os corruptos e corruptores, é só me chamar que eu vou lá e cráu.

– E se for interpretada a favor dos corruptos?

– Bem, aí eu não posso fazer nada, porque está dentro da lei.

– Então você não está aqui para me proteger, Super-Abuso. Você, em última instância, está acobertando os…

– Desculpe, cidadão, mas tenho que salvar um investigado por falcatruas que está sendo vítima de uma atroz e vexatória condução coercitiva, com movimentação ostensiva e desproporcional de veículos e armamentos. Queira Deus que não haja algemas!

– Espere um pouco! Tirando os óculos, você me lembra uma velha conhecida minha, a Lei de Controle Social da Mídia, cuja louvável intenção era me defender dos abusos da liberdade de imprensa, e no entanto…

– Impressão sua, cidadão. Impressão sua. Fui!

Entre aspas

aspas

– Laércio, não leve a mal, mas você anda tendo uns comportamentos meio “estranhos” ultimamente.
– Como assim?
– Isso que você fez agora, por exemplo.
– Isso o quê?
– Fez de novo. Esses gestos.
– Ah, eram interrogações.
– Não precisa disso. Pelo tom dá pra saber que é uma pergunta.
– Se você faz aspas com os dedos, que também não precisa, eu posso fazer com outros sinais, ora!
– Suponho que esse traço vertical como quem passa o dedo por uma lista e depois aperta um botão imaginário seja uma exclamação.
– Exato. Nem sempre a exclamação fica clara, e vai que…
– E agora esses três pontinhos…
– Reticências. Às vezes eu fico reticente e não quero que pensem que fui inconclusivo.
– E esse dedo apontando a 45 graus?
– Crase. Me soa mal espichar o aaaaa, então…
– Já sei, já sei. Essa “cobrinha” que você fez deve ter sido o til.
– Isso. Você fez aspas com os dedos de novo, reparou?
– Laércio, todo mundo faz aspas com os dedos. Ninguém faz interrogação, exclamação, reticências ou… o que é isso que você está fazendo agora?
– Vírgulas. Coloco nas minhas frases e nas dos outros. Ponto e vírgula é mais complicado; ultimamente, coloco só nas minhas, porque quase ninguém usa ponto e vírgula, ainda mais quando fala.
– As pessoas estão ficando com medo de você, Laércio.
– Vocês começaram com essa história das aspas. Agora aguentem.
– Isso que você fez foi um circunflexo e depois um trema?
– Foi.
– Trema não existe mais, Laércio. E você fez uma vírgula que eu não disse.
– Era cedilha. Com a mão direita eu faço pontuação (exclamação, interrogação, vírgula, ponto final, dois pontos) e com a esquerda, sinais diacríticos (acento agudo, acento grave, til, cedilha, caron, braquia). Tem que prestar atenção.
– O que foi isso agora, com as duas mãos?
– Parêntesis. Ainda estou treinando as chaves e os colchetes.
– Desisto, Laércio. E pelamordideus para com esse dedinho mexendo igual a um ponteiro que isso está me tirando do sério!
– É o travessão. E quem desiste sou eu, porque sem bons modos e sem travessão, não pode haver diálogo.

Assimetria tóxica

assimetria

Confira a coluna de hoje n’O Globo:

Assimetria tóxica


 

A palavra do ano de 2016 nos Estados Unidos foi “pós-verdade.
No Brasil foi “golpe”.
(Subiram também ao pódio: ‘ ‘vergonha’, ‘tenso’ e ‘crise’.)

A de 2017, lá, foi “youthquake” (a revolução dos jovens).
No Brasil, “corrupção”.

Em 2018, a deles foi “tóxico”.
A nossa, “mudança”.
(As outras medalhas foram para “medo”, “esperança”, “luta” e “caos”).

Ou seja, desde 2016 estamos numa vaibe de vergonha tensa, medo da crise, golpe de mudança, luta contra a corrupção e esperança no caos.

Não votei nessas eleições vocabulares. Minhas favoritas para 2018 e minhas candidatas ao prêmio em 2019 são outras.

E pelos motivos expostos no texto de hoje, n’O Globo.