New kid on the bloque

Quando adquiri o FB, veio junto uma caixa de ferramentas.

Gostei de algumas logo de cara – o “Compartilhar”, por exemplo. Talvez por ser fácil de usar e não requerer prática nem tampouco habilidade.  E ainda permitir que eu dissesse um monte de coisas sem ter que escrever nada – ou que “gerar conteúdo”, como se diz nesse meio.

Gostei do “laique”. Que não é bem um “laique”, mas um polegarzinho para cima, que não quer dizer que gostei, mas que tá ok. É mais um “tudo bem”, “de boa”. Fosse um aplicativo burocrata, seria uma espécie de “Nada a opor”.

Com mais parcimônia usei o coraçãozinho. “Amei”? Não, não é muito a minha praia. Não que eu não ame, mas não amo assim, tão à primeira vista. Amo homeopaticamente, porque amor não dá em penca, não é vendido à dúzia. Amei na vida menos do que devia, e não seria num aplicativo de rede social que iria tirar o atraso.

Rio de vez em quando. Muito de vez em quando. Mas quando rio é porque gargalhei mesmo.

Os botões de surpresa e de mandar força ainda devem estar na embalagem, assim como o Grr. O da furtiva lágrima, sim, usei – duas ou três vezes, porque acho triste me valer de lágrima alheia para chorar por mim. O bonequinho carpideiro está na categoria do vestido de noiva – usado uma vez só, e olhe lá.

A ferramenta mais difícil foi a do bloque. Essa exigia a leitura do manual de instruções, o que não é do meu feitio. Sou do tipo que aperta todos os botões da cafeteira até que um a faça dar à luz um café ou, por engano, um cappuccino. Aperto um a um os botões do controle remoto, do monitor, da impressora. Uma hora rola a cópia, melhora o brilho, aparece a legenda.  Prezo esse meu jeito intuitivo e antitecnológico de ser. 

(Não sei se já contei aqui que mantive um vídeo cassete – um de 4 cabeças! – encaixotado por seis meses, por bloqueio instalativo. Que tomei banho frio – em Curitiba! – por não me animar a instalar o novo chuveiro elétrico.  Dizem que isso é coisa de taurino. Confirmo a hipótese se um dia passar a acreditar em horóscopo.)

Aprendi, na marra, o uso do bloque.

O bloque é o “Não é não” do FB. É a placa de “O ambiente exige respeito” desta gafieira virtual. É a linha do impedimento. É o “Meu corpo, minhas regras”, o “A página de um homem é seu castelo”, o “Respeita Januário” do forró do padim Zucka. É o “Este saloon é pequeno demais para nós dois, forasteiro” do faroeste em que se transformaram as redes sociais.

Meus primeiros bloques foram do tipo “Você passou dos limites, colega”. Algo como “uma pisada na bola eu entendo, duas canelas quebradas eu relevo, três meses na UTI é demais”.  Eu deixava acontecer para não me sentir culpado de cometer alguma injustiça – e depois ia atrás do plano de saúde para cobrir os danos. E, ainda assim, acabava como o vilão da história.

Num segundo momento, os bloques passaram a ser “Você está brincando com fogo, camarada”. Mas eu já estava chamuscado. Apagava o incêndio, e ficava como vilão da história do mesmo jeito.

A fase 3 – na qual me encontro agora – é a da proatividade. Do jogador de xadrez que antecipa os lances. A fase do “Isso não tem como acabar bem, e é melhor extirpar antes que vire metástase”. É o bloque profilático. O cordão sanitário.

Até pela crescente dificuldade de regeneração óssea, não posso mais me dar ao desfrute de ter os ossos esmigalhados por quem ignora a bola e entra com as traves da chuteira na minha canela. Até porque dói pra caramba. Até porque fica uma cicatriz. E, principalmente, porque não é pra isso que entrei em campo.

O ar aqui ficou mais respirável depois que comecei a bloquear quem agride, quem ofende, quem não vem pra conversar, mas para criar caso. Depois que incluí no pacote quem dá suporte a essas atitudes. Quem tem esse comportamento com as pessoas de quem gosto. Porque não me iludo com a crença de que quem é calhorda com um amigo meu há de ser leal comigo.

Minha página (de textos sobre língua portuguesa), meu instagram e meu uotiçape estão cheios de mensagens desaforadas de gente que se sentia no direito de exercitar sua incivilidade aqui no meu quintal. Impedida, agora xinga do outro lado do muro.

Rêiters will be rêiters. Ou, em bom português, não peça a um pé de jaca que dê manga.

Ainda vou ler o Manual de Instruções do FB e procurar no fundo da caixa para ver se há outras ferramentas que, por preguiça, não utilizei. Tipo um filtro de gente autoritária, um sensor de quem é movido a inveja e amargura, uma arapuca para pegar boçal, um mata-burro que mantenha as récuas (sempre quis usar essa palavra!) longe das pastagens que cultivo aqui (para deleite visual, não para alimentação).  Um repelente de não devotos de Nossa Senhora da Interpretação de Texto.

Bloque não é vida, mas uma forma de se ter uma vida virtual mais saudável. De não permitir, na minha sala, gente com o pé em cima da mesinha de fórmica, jogando bituca no vaso de avencas, derramando Dolly Citrus no tapete, assoando o nariz na cortina ou puxando o rabo dos meus cachorros.

Não faço isso na casa de ninguém. A Gerência agradece se não vierem fazer na minha.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s