Sem querer & querendo

sem querer

“Oje, intregamos 120 ônibus iscolares a municípios de São Paulo. No ano paçado, mais de 1300 foram entregues em todo o Brasil. O Governo @jairbolsonaro já disponibilizou atas a estados e municípios para aquisição de mais de 6200 ônbus. Espero que dessa forma a notícia chegue a todos.”

O que o ministro da Educação fez neste tuíte foi, claro, uma jogada de márquetchim.

Seu domínio da língua escrita não é lá essas coisas. Entre usar um corretor ortográfico, contratar um revisor ou aprender ortografia, ele optou por carnavalizar de vez.

Pode dar serto. Pode ser um tiro no pé.

O ministro conseguiu duas façanhas memoráveis na sua gestão: fez um Enem desastroso e botou toda a imprensa de canetinha vermelha na mão, procurando erro de português.  Se por um lado os estudantes sofreram, por outro acabou aquela história de preconceito linguístico, opressão linguística, de ‘nós pega os peixe’. Nunca antes na história deste país se viu gente tão zelosa em relação à pureza do idioma.

A gota d’água para o ministro chutar o balde foi virem corrigi-lo por escrever “aonde” onde era para ser “onde”. Onde já se viu preciosismo desses?

“Onde” tem sentido estático, de lugar fixo.
“Aonde” (a + onde) tem noção de destino, de movimento.

“Onde você mora?”
“O lugar onde eu trabalho é pertinho daqui”,
“Não sei onde deixei o livro”.
(Tudo parado, reparou?)

“Você não tem como me levar aonde eu quero ir”.
“Aonde você pensa que vai a esta hora, Paulo Otávio?”
(Tudo em movimento – menos o Paulo Otávio, que estancou no ato.)

Onde por aonde é coisa simples, errinho de nada. Camões não estava nem aí para isso. Em outras circunstâncias, apenas D. Eurídice, professora aposentada em Minduri MG, teria reparado e feito muxoxo.  Mas com o histórico “imprecionante” de erros cometidos pelo ministro, a cada tuíte as redações ordenam a “paralização” das máquinas e a “suspenção” de todas as atividades até que a Brigada de Ortografia passe um detector de barbaridades (não confundir com barbarismo, que é outra coisa).

Mas como podemos garantir que o ministro tenha errado de propósito ao escrever “oje”, “iscolares”, “paçado” e “ônbus”? Ou que não tenha sido ele a redigir o tuíte, mas alguém do seu Comitê de Gestão de Crises Gramaticais? Elementar, caros watsons:

1.  Reparem em “Oje, intregamos…” e “No ano paçado, mais de…”. Essas vírgula separando o adjunto adverbial de tempo deslocado é sofisticação demais para um tuíte ministerial:

2. “Municípios” e “notícias”, paroxítonos terminados em ditongo crescente, estão corretamente acentuados.

3. “Aquisição” está com S e Ç, não com Z e SS, como seria de se esperar.

Tudo bem que faltou o ponto separando o milhar (1.300, 1.600), que “Governo” estava desnecessariamente em maiúscula e que o adjunto adverbial de modo (“dessa forma”), por estar intercalado, deveria ter vindo entre vírgulas. E que, por fim, era para ter usado “desta” em vez de “dessa”.

O ministro foi esperto. De agora em diante, sempre que errar, poderá dizer que foi de propósito. Mas a gente sabe quando o erro é sem querer e quando é querendo.

Esses “sem querer querendo” não enganam ninguém. Até porque bastaria o “chegue a todos” sem crase para entregar a farsa: o ministro da Educação teria craseado, sem pestanejar.

4 comentários em “Sem querer & querendo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s