Progressistas do passado

smith

Fala-se tanto em inclusão, diversidade, representatividade, mas só pode ser gente que ainda não era nascida nos anos 60 e tem a impressão que o planeta sempre foi reacionário, quadrado e careta.

O Gordo e o Magro viviam juntos. Dormiam na mesma cama, inclusive. E era a coisa mais normal do mundo. Isso nos anos 40.

Acha pouco?

Moe, Joe e Larry não eram tão patetas quanto se imagina: também coabitavam e dividiam o leito, num esquema de poliafetividade que não escandalizava ninguém.

Como essa gente lacradora de hoje acha que Tony Curtis, um dos maiores galãs do seu tempo, conquistou Marilyn Monroe, a mulher mais cobiçada do cinema? Não foi exibindo os bíceps ou agarrando pelo cabelo, como fazem os machos opressores de hoje no Carnaval, mas usando vestido, peruca e maquiagem pesada. Jack Lemmon, heterossexual convicto, acaba encontrando o homem da sua vida, Joe Brown, também vestido de dregue quando as dregues nem sonhavam em ser queens.

O que dizer dos inseparáveis Zorro & Tonto e Mandrake & Lothar, que, ainda por cima, eram relacionamentos inter-raciais?

E Xena e Gabrielle?

Maga Patalójika e Madame Min?

Matracatrica e Fofoquinha?

Tom & Doug, que tinham não só um passado mas também um futuro, e viviam juntos para lá e para cá, no Túnel do Tempo?

Fred e Barney, com seus casamentos de fachada?

Recruta Zero e seu fetiche bondage com o Sargento Tainha?

E as novas configurações familiares dos personagens Disney, com sobrinhos invariavelmente criados pelos tios solteirões?

Emília, no Sítio do Pica Pau Amarelo, fazia de gato e sapato o Visconde de Sabugosa (“milhonário” macho, nobre, espigado). E ainda se casou com um porco, o Marquês de Rabicó – num tipo de relacionamento que nem o ministro Barroso aprovaria.

Nós, da década de 60 (eu nasci em 59, mas com sensação térmica de 1960) aplaudimos Simonal, Tony Tornado, Jair Rodrigues, Golden Boys, Trio Esperança, Elza Soares, Agostinho dos Santos, Evaldo Braga, Lady Zu, Miriam Makeba, Donna Summer, Tina Turner, Ray Charles, Bob Marley, Stevie Wonder, Jimi Hendrix, Michael Jackson (ele ainda era preto na ocasião) porque sabíamos que black is beautiful e que “no matter, no matter your color, you are still my brother”. E sem precisar ser chamados de palmito, de brancos opressores sem lugar de fala (ou, no caso, de escuta).

Um dos maiores mitos da nossa época era o Dr. Smith, a quem é impossível descrever de modo politicamente correto. Ele fez mais pelo movimento LGBTQ+ da época (que ainda não existia) do que qualquer parada gay. Era uma péssima influência para o pequeno Will Robinson (mau caráter no úrtimo!), e nem por isso o garoto desgrudava dele (com a anuência dos pais, John e Maureen Robinson, que ou eram muito ingênuos ou eram simpatizantes da causa e adeptos da ideologia de gênero).

Dr. Smith ainda por cima mantinha um relacionamento abusivo com uma criatura cibernética e não binária, o Robô. A quem, durante as frequentes D.R.s, chamava de “lata de sardinha enferrujada”. E não há evidências de que o pequeno Will ou a ingênua Penny Robinson tenham virado genderfluid ou se tornado de Humanas por causa disso.

Jeannie vivia com o Major Nélson sem serem formalmente casados – isso num tempo em que mulher amigada era vista como uma sirigaita, não como descolada.

A empoderada Agente 99 era muito mais esperta que o abilolado Agente 86. A tripulação do Star Trek era mais multiétnica que os anúncios da Benetton e da Natura ou aquela propaganda censurada do Banco do Brasil.

Sem contar que, bem antes das Marchas da Maconha, já lidávamos de boa com o uso de alucinógenos, como o pó de pirlimpimpim.

Do Zé Colmeia & Catatau e do Batman e Robin eu nem vou falar, porque ainda não consegui encontrar um jeito de aportuguesar “sugar daddy”.

Os fascistas e as tias do zap eram muito mais progressistas do que vocês imaginam.

8 comentários em “Progressistas do passado

  • Na minha visão, o Doutor Smith era o comunista infiltrado que fazia de tudo para a missão fracassar. Tinha inveja das conquistas tecnológicas americanas, e por isto maltratava o robô. Além de tudo ele era um mal agradecido incorrigível, pois apesar de sempre ser salvo pela família das enrascadas em que se metia como consequência das tentativas de fazer a missão falhar, Dr. Smith sempre se manteve fiel à sua causa mesquinha – mensagem subliminar aos que acreditam que comunistas podem evoluir.
    Penso que o traço gay dado pelo produtor ao ‘Doutor’, pretendia desmoralizar homossexualidade em tempos em que se investia pesado no “baby boom”. O único a quem o mal caráter não enganava era o militar da missão, o rapaz que não pertencia ao clã dos Robsons, retrato do sonho americano de família unida e feliz. Tenho notado que famílias assim ainda existem na vida real e são mesmo, geralmente, muito prósperas, unidas e felizes.

    Curtir

  • É uma teoria a considerar.
    Pode-se também ver o Major Don West como um homofóbico, já que era o único a implicar (não sem motivos) com o Dr. Smith.
    A passividade do robô me incomodava um pouco: bastaria um safanão e Dr. Smith iria a nocaute. Mas a questão da evolução das máquinas e da inteligência artificial ainda não estava colocada naquela época.
    Dr. Smith estava mais para um anarquista egocêntrico ou um capitalista selvagem (dane-se tudo, o que importa é ter algum proveito pessoal) do que para um comunista. Até porque gay comunista só existe enquanto o comunismo está na oposição. Chegando ao poder, a lua de mel acaba: ou se é uma coisa ou outra.

    Curtir

    • Sobre seu comentário: “… a questão da evolução das máquinas e da inteligência artificial ainda não estava colocada na naquela época”, lembro da obra do russo Isaac Asimov, Eu Robô, coletânea de contos lançada em Inglês em 1950, já contendo as três leis da robótica que serviram de inspiração para outros contos de ficção científica e até mesmo para nortear nossa relação com as máquinas na vida real até os dias de hoje.
      São elas:
      “1ª Lei: Um robô não pode ferir um ser humano ou, por omissão, permitir que um ser humano sofra algum mal.
      2ª Lei: Um robô deve obedecer as ordens que lhe sejam dadas por seres humanos, exceto nos casos em que tais ordens entrem em conflito com a Primeira Lei.
      3ª Lei: Um robô deve proteger sua própria existência desde que tal proteção não entre em conflito com a Primeira e/ou a Segunda Lei.“
      Tenho a lembrança daquele robô atuar dentro destas regras.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s